O delegado titular da Divisão de Homicídios do Rio, Felipe Renato Ettore, disse nesta quinta-feira que o corte na garganta encontrado no corpo do diretor e fundador do grupo Nós do Morro, José Frederico Canto Pinheiro, de 57 anos, dá indícios de que a vítima tenha sido assassinada. Ettore, no entanto, ressaltou que não descarta a hipótese do crime ter sido um latrocínio (roubo seguido de morte) e afirmou que o motivo pode ter sido financeiro, passional ou, até mesmo, um acerto de contas.

Divulgação

Fred Pinheiro

Fred Pinheiro, como era conhecido, foi encontrado morto  na manhã de quarta-feira numa cabine usada pela Guarda Municipal, no Horto, zona sul da capital fluminense. A vítima tinha a garganta cortada possivelmente por um estilete, encontrado junto ao corpo. Para o delegado da Divisão de Homicídios, o objeto pode ter sido deixado naquele local para simular um suicídio.

A hipótese de assalto, que havia sido descartada, voltou a figurar entre as possibilidades. Objetos pessoais e documentos de Fred foram encontrados ao lado do corpo, mas, para a polícia, a vítima poderia estar com pertences mais valiosos que esses que acabaram sendo levados. 

De acordo com o grupo Nós do Morro, a vítima estava desaparecida há cerca de dois dias e o caso já havia sido comunicado à 15ª DP (Gávea). Fred foi visto pela última vez embarcando em uma van no Morro do Vidigal que seguia para Copacabana.

O delegado Felipe Renato Ettore informou que já pegou o depoimento de algumas pessoas, mas não deu mais detalhes para não atrapalhar as investigações. O corpo de Fred foi enterrado no final da tarde desta quinta-feira no cemitério São João Batista, em Botafogo, zona sul do Rio. Cerca de 150 pessoas, entre parentes e amigos, estiveram no sepultamento.

O grupo Nós do Morro  foi fundado em 1986, com o objetivo de criar acesso à arte e à cultura para as crianças, jovens e adultos do Morro do Vidigal. O projeto se consolidou e atualmente oferece cursos de formação nas áreas de teatro (atores e técnicos) e cinema (roteiristas, diretores e técnicos) para crianças, jovens e adultos moradores, ou não, da comunidade.

Leia mais sobre: Nós do Morro - assassinato

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.