Polícia suspeita que tia assassinou índia xavante

A Polícia Civil de Brasília acredita ter desvendado a morte brutal da índia xavante Jaiya Pewewiio Tfirupi, de 16 anos, vítima de empalação pela genitália. Ela teria sofrido um ataque de fúria da própria tia, a também índia Maria Imaculada Xavante, por ciúmes do marido, segundo a polícia.

Agência Estado |

Os dados serão repassados na segunda-feira à Polícia Federal, que assumiu o caso por determinação do ministro da Justiça, Tarso Genro. Ela será intimada a depor amanhã, sob autorização da Fundação Nacional do índio (Funai).

Usuária de cadeira de rodas em razão de lesão neurológica grave, a índia estava sob os cuidados da Fundação Nacional da Saúde (Funasa) quando sofreu a agressão. Ela teve a vagina e o ânus perfurados por um vergalhão de 40 centímetros, que lhe atravessou órgãos vitais, como o estômago, baço e diafragma, segundo laudo do Instituto Médico Legal (IML). A agressão teria ocorrido por volta das 3 horas da madrugada da última quarta-feira na Casa de Apoio à Saúde Indígena (Casi), na cidade satélite de Gama. Transferida para o HUB, ela não resistiu aos ferimentos e morreu sete horas depois por hemorragia e infecção generalizada.

A direção da Funasa não confirma oficialmente a suspeita de autoria do crime, mas servidores do órgão admitem que essa hipótese é investigada como a mais provável. Como Imaculada é inimputável, seu depoimento só terá validade se houver autorização da Funai e da Justiça, depois de parecer antropológico que a considere apta a responder perante o Código Penal brasileiro. A polícia chegou ao nome de Imaculada após tomar o depoimento tomado de uma testemunha do crime. Em nota divulgada ontem, a direção da Funasa informa que Jaiya estava hospedada, com sua mãe e uma tia, na Casa de Saúde Indígena (Casai) desde o dia 28 de abril.

    Leia tudo sobre: violênciaíndio

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG