Polícia registra um furto a cada 4 minutos em São Paulo

Batedores de carteira e de celular, especializados em agir em multidões, fazem uma vítima a cada quatro minutos na capital paulista. O número é referente às estatísticas de furtos registrados pela polícia que estão no site da Secretaria da Segurança Pública.

Agência Estado |

Entre janeiro e junho, foram 75.944 casos, uma média de 417 ocorrências por dia, 17 por hora. As notificações somam 1,2 milhão nos últimos oito anos.

Os dados mostram que essa modalidade criminal ganhou força saindo de 107.555 casos, em 2000, para 148.305 no ano passado - aumento de 37,8% no período. A série histórica, que não engloba os carros e motos furtados, teve o pico em 2005, quando foram 176.181 boletins de ocorrência sobre furtos registrados. Desde então, a tendência é de queda, mas números recentes ainda mostram excessos, sempre acima dos 140 mil casos por ano.

Estudo do Núcleo de Estudos da Violência da USP relaciona a escalada dos furtos à melhora da condição de vida do paulistano. Na publicação Olhar sobre São Paulo, os pesquisadores ressaltam que a criminalidade sempre é associada à pobreza, mas o fenômeno também está atrelado à riqueza. As pessoas agora circulam com objetos de maior valor - celular, notebook, acessórios de marca -, o que atrai o bandido, afirma o sociólogo do Núcleo, Marcelo Batista Nery.

A divisão por bairros indica que as áreas com maior aglomeração de pessoas, e também as mais favorecidas economicamente, são os principais alvos dos furtos. Sé, Santa Ifigênia, Perdizes, Lapa, Santo Amaro, Pinheiros e Itaim Bibi, lideram, nessa ordem, as ocorrências. A Polícia Militar já fala até na volta do trombadão. Isso porque o atual perfil do autor desse crime é de homens e mulheres mais velhos, que não estão mal vestidos e aproveitam a aglomeração para atacar as bolsas e bolsos dos desprevenidos.

Leia mais sobre: furtos

    Leia tudo sobre: furtos

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG