Polícia prende 31 suspeitos de tráfico internacional de animais

Entre os detidos na operação da Polícia Federal estão funcionários de institutos ambientais; 10 mil animais foram apreendidos

iG São Paulo |

Divulgação
Polícia encontra colete com dezenas de ovos de aves
A Polícia Federal (PF) prendeu, nesta quarta-feira, 31 pessoas suspeitas de tráfico internacional de animais. Entre os detidos está um coronel da Polícia Militar, um funcionário do Tribunal de Contas do Paraná e dois diretores do Instituto Ambiental do Paraná. Segundo a PF, eles foram fora presos com a ajuda das próprias insituições em que trabalham.

A Operação denominada São Francisco além das 31 prisões, cumpriu 42 mandados de busca e apreensão nos Estados de São Paulo, Paraná e Santa Catarina em residências dos suspeitos e repartições publicas. Mais de 10 mil animais foram apreendidos durante a Operação São Francisco.

Foram decretados pela Justiça também o sequestro dos bens de uma empresa e de uma pessoa física, cujos nomes não foram divulgados, além de mandados para serem cumpridos no exterior, com o apoio da Interpol.

De acordo com investigação, iniciada há cerca de oito meses, foram identificados os integrantes da maior quadrilha brasileira de tráfico de animais silvestres, principalmente aves da fauna brasileira que eram vendidas no exterior - onde alcançam preços exorbitantes - bem como importadas ilegalmente, para venda no mercado clandestino interno.

Divulgação
Arara azul foi um dos animais silvestres apreendidos pela Polícia Federal
Os animais encontrados vivos em cativeiro foram apreendidos pelo Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (Ibama) e encaminhados para um centro de triagem de animais. Conforme a polícia, se houver necessidade, serão devolvidos aos seus países de origem.

Os suspeitos podem responder pelos crimes de maus-tratos de animais, tráfico internacional de espécies das faunas nativa e exótica, receptação, formação de quadrilha, falsificação de sinais públicos, tráfico de influência, crimes contra a ordem tributária e de lavagem ou ocultação de bens, direitos e valores.

*Com informações da Agência Estado

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG