Mais um paciente com deficiência mental teve todos os dentes arrancados depois de uma visita rotineira ao dentista do Hospital Regional da Asa Norte (Hran), área central de Brasília. O caso é investigado pela Polícia Civil e pela Secretaria de Saúde da Capital.

Roberto Carlos Pinto Duarte, 35 anos, também com limitações, foi levado pela mãe, Ita Pinto Duarte, ao hospital para retirar dois dentes, mas teve 28 arrancados. O caso teria ocorrido há dois meses, antes do adolescente César Oliveira Ferreira, 17 anos, primeiro em que a família denunciou a extração sem autorização.

No final de setembro, César, acompanhado da mãe, foi ao Hran para retirar um dente e terminou sem nenhum. Foram extraídos 28 dentes saudáveis. O procedimento não foi autorizado pela mãe e o dentista responsável, Wilson Oliveira, está sendo processado por lesão corporal gravíssima e pode pegar até oito anos de prisão.

Até agora, as informações obtidas pela polícia e pela Secretaria de Saúde do DF dão conta que Wilson também seria o responsável por ter arrancado os dentes de Roberto, também saudáveis.

Roberto, que tem a idade mental de um menino de cinco anos, teria ido ao hospital com a mãe para retirada de dois dentes. Ita, que é analfabeta, disse à polícia que a fizeram assinar um documento de autorização, mas sem lhe explicar do que se tratava. Ao sair com o filho do consultório, Roberto já estava sem todos os dentes. Ela teria dito também que o dentista responsável era Wilson Oliveira.

Em nota, a secretaria de saúde do DF confirma que teria sido Wilson o responsável pelos dois atendimentos e que continua afastado do Hran desde o dia 19 do mês passado. A denúncia também foi encaminhada ao Ministério Público do DF e ao Conselho Regional de Odontologia, instâncias que podem punir o dentista e proibi-lo de exercer a profissão.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.