Polícia investiga morte de mãe com bebê no colo em favela no Rio de Janeiro

RIO - A polícia do Rio de Janeiro vai investigar a morte de uma mulher de 24 anos que foi atingida por um disparo nas costas quando caminhava com a filha de 11 meses no colo nas proximidades de uma favela na zona norte da cidade.

Reuters |

Familiares da dona-de-casa afirmaram que o tiro que acertou a mulher e o bebê perto da favela de Kelsons, na Penha, na noite de domingo, partiu de policiais que dispararam em direção à comunidade.

A Polícia Militar, no entanto, alega que policiais que faziam uma ronda no local foram alvo de disparos de supostos traficantes, que teriam acertado mãe e filha na rua. De acordo com a PM, os policiais militares não revidaram aos disparos porque havia muitos pedestres na rua.

A menina de 11 meses, atingida no braço pelo tiro, foi submetida a uma cirurgia no hospital Getúlio Vargas. O estado de saúde dela é grave, mas estável.

"Bandidos efetuaram disparos contra policiais militares em patrulha quando essa senhora e a criança foram atingidas e levadas para o hospital Getúlio Vargas", disse um policial da assessoria da PM.

A Polícia Civil informou, nesta segunda-feira, que o caso será investigado na Delegacia da Penha, mas não tinha mais informações até o momento. A PM lamentou a morte e afirmou que vai colaborar com a apuração dos fatos, entregando as armas dos policiais para a perícia.

Onda de violência

A morte acontece após uma onda de violência que deixou ao menos 41 mortos na cidade na última semana.

Os confrontos entre policiais e facções criminosas rivais tiveram início no dia 17, quando suspeitos traficantes abateram a tiros um helicóptero da Polícia Militar que dava apoio para uma operação no Morro dos Macacos, também na zona norte, matando três policiais que estavam na aeronave.

Desde então, a Polícia Militar do Rio de Janeiro contabiliza 35 vítimas fatais em confronto ou corpos encontrados, além de 3 policiais mortos e 4 vítimas inocentes.

Leia também:

Leia mais sobre: violência no Rio 

    Leia tudo sobre: morterioviolência

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG