Crime ocorreu na última segunda-feira no assentamento Caldeirão do Periquito, instalado pelo Incra

O gestor do Departamento de Homicídios e Proteção À Pessoa (DHPP), Joselito Amaral, foi designado nesta quarta-feira pelo chefe da Polícia Civil de Pernambuco para coordenar as investigações de uma chacina que resultou na morte de seis pessoas - entre elas uma grávida e uma criança - no município de Floresta, no sertão pernambucano, a 439 quilômetros do Recife. O crime ocorreu na segunda-feira, no assentamento Caldeirão do Periquito, instalado pelo Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) há 20 anos.

A polícia não descarta nenhuma hipótese para justificar a chacina, entre elas a de acerto de contas ou vingança contra o agricultor Antonio da Silva Avelino, de 42 anos, dono da propriedade. De acordo com testemunhas, quatro homens armados chegaram em um carro ao sítio e mataram o agricultor, sua filha Stefane Vitória da Silva, de quatro anos, sua mulher, Juciane Timóteo da Silva, grávida de quatro meses, os irmãos dela, Rosana Timóteo da Silva, 17 e Josildo Timóteo da Silva, 14, além de Demézio Alves da Silva, 20 anos, que trabalhava no sítio.

Avelino e sua mulher não estavam no sítio quando os assassinos chegaram. Eles aguardaram o casal depois de amarrarem as quatro pessoas que se encontravam no local. Todos os seis foram mortos a tiros. Amigos e vizinhos da família disseram que a família era tranquila e não havia nada que motivasse o crime, mas, segundo a polícia, Avelino respondia por homicídio na Justiça do Estado.

Os corpos das vítimas foram enterrados hoje, depois de liberados pelo Instituto de Medicina Legal (IML) no Recife.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.