julgamento do PCC no interior de SP - Brasil - iG" /

Polícia investiga julgamento do PCC no interior de SP

A Polícia Civil de Limeira (a 151 quilômetros de São Paulo) investiga a participação de seis supostos integrantes do Primeiro Comando da Capital (PCC), presos no último domingo, em crimes e julgamento de membros da facção na cidade. Segundo a polícia, os seis homens, com idades entre 19 e 43 anos, seriam lideranças do PCC em Americana e Santa Bárbara dOeste.

Agência Estado |

Eles foram presos em uma chácara, na zona rural de Limeira, na madrugada de domingo, enquanto julgavam e sentenciavam um ex-integrante do grupo.

De acordo com o investigador-chefe da Delegacia de Investigações Gerais (DIG), Gildo Ciola, as seis pessoas detidas foram indiciadas por porte ilegal de arma, ameaça, extorsão mediante seqüestro, cárcere privado e formação de quadrilha. A suposta vítima, Luiz Gustavo de Macedo Martins, 22 anos, tinha passagem pela polícia por tráfico de entorpecentes e cumpriu pena na Penitenciária Joaquim de Sylos Cintra, em Casa Branca (a 240 quilômetros de São Paulo).

De acordo com o relato de Martins à polícia, foi na cadeia que ele conheceu integrantes do PCC e foi "batizado" como membro da facção. O rapaz disse que, após cumprir pena de quatro anos em regime fechado, passou a freqüentar uma igreja e deixou as atividades no crime e na facção. Por isso, o comando do PCC teria pedido a seus soldados que localizassem Martins. Filho de um bancário, o rapaz foi levado de sua casa, em Americana, na última quinta-feira, por três integrantes da quadrilha, para a chácara em Limeira. De acordo com a Polícia Civil, a quadrilha teria tentado, sem sucesso, extorquir a família de Martins, com pedido de resgate entre R$ 13 mil e R$ 15 mil.

Ainda segundo a polícia, ao menos 30 pessoas passaram o fim de semana na chácara em Limeira, em churrasco regado a bebidas e drogas. No domingo, apenas sete homens ficaram no local, um deles sob ameaça dos outros. Quando a Polícia Militar chegou à chácara, percebeu que Martins estava sendo julgado pelos demais. "O rapaz sabia que sua sentença era a morte e, numa brecha, conseguiu avisar a família, que chamou a polícia", informou o investigador-chefe da DIG. Os policiais apreenderam uma arma, pequena quantidade de droga, R$ 50 em dinheiro e um computador, encaminhado para a perícia. A polícia investiga a propriedade em que foram encontrados os suspeitos e suposta participação dos homens detidos em outros crimes na cidade.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG