Polícia indicia hacker K-Max por divulgação de segredos

SÃO PAULO - O programador Vinicius Camacho Pinto, de 28 anos, mais conhecido entre os internautas como K Max, foi indiciado na noite desta quarta-feira pelo crime de divulgação de segredos qualificado.

Redação |

A Polícia Civil de São Paulo, por meio de integrantes da Delegacia de Repressão a Crimes Cometidos por Meios Eletrônicos do Deic (Departamento de Investigações sobre Crime Organizado), descobriu que ele invadiu o banco de dados de clientes da Telefônica e disponibilizou as informações na Internet. As informações são da assessoria de imprensa do Deic.

A equipe cumpriu mandado de busca e apreensão na casa do programador em Itapevi, na Grande São Paulo. Segundo o delegado José Mariano de Araújo Filho, titular da DRCCMeios Eletrônicos, Pinto teria entrado no sistema de cadastro da Telefônica. A partir do site da empresa, ele conseguiu acessar dados pessoais dos clientes. Depois disponibilizou as informações a quem estivesse interessado, disse o Araújo Filho.

O delegado informou que o programador também sequestrou comunidades do site de relacionamento Orkut. Outra ação de Pinto teria acontecido durante a Campus Party ¿ evento de tecnologia - de 2008. Ele impediu que alguns participantes acessassem sites como YouTube e Google. Pinto admitiu todas as invasões. A equipe apreendeu computadores pessoais e CDs. O material será periciado. O programador foi indiciado pelo crime de divulgação de segredos qualificado. A pena é de um a quatro anos de prisão.

Leia mais sobre hackers

    Leia tudo sobre: hackersorkutsão paulotelefonica

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG