Polícia Federal prende no Rio um dos chefes do narcotráfico colombiano

Agentes da Polícia Federal (PF) e do Drug Enforcement Administration (DEA), a agência norte-americana de combate ao tráfico de drogas, prenderam na manhã desta sexta-feira o traficante colombiano Nestor Ramon Caro-Chaparro, de 42 anos. Ele é considerado um dos principais chefes do narcotráfico da Colômbia. A prisão de ¿El Duro¿, como também é conhecido, aconteceu quando ele saía de um apartamento de luxo localizado na avenida Atlântica, em Copacabana, na zona sul do Rio de Janeiro.

Anderson Dezan, iG Rio de Janeiro |

Reuters

O traficante colombiano sendo levado por policiais federais no Rio de Janeiro

De acordo com a Delegacia de Repressão a Entorpecentes da PF, o traficante estava há menos de um mês no Rio. Ele teria chegado à capital fluminense no último dia 13 usando um passaporte falso com identidade venezuelana. As investigações mostram que o grupo no qual Caro-Chaparro chefiava usava o Brasil como entreposto no tráfico internacional de cocaína. O entorpecente saía da Colômbia, parava nos portos do Rio ou de Santos e, então, seguia para os Estados Unidos. 

"A droga não ficava aqui no Brasil. A atuação dele era no tráfico internacional. O Brasil era usado como entreposto, já que a cocaína ia para os Estados Unidos", afirmou o delegado João Luiz Caetano de Araújo. Caro-Chaparro é considerado do nível do [Juan Carlos] Abadía. A prisão dele significa um grande baque nos cartéis colombianos, completou. 

Segundo a PF, a princípio, a atuação do colombiano não possuía nenhuma ligação com o tráfico de drogas no Rio. A corporação informou ainda que Caro-Chaparro vinha esporadicamente ao Brasil, mas como usava identidades falsas, não há como estipular quantas vezes ele esteve em território nacional.  

Prisão 

Desde a tarde de quinta-feira, agentes federais brasileiros e agentes norte-americanos vigiavam a residência do colombiano. Cinco policiais brasileiros efetuaram a prisão do traficante, que não ofereceu resistência. Ele morava em uma cobertura de luxo alugada em Copacabana. Estavam com ele no apartamento, a namorada venezuelana, que está grávida de 7 meses, e uma suposta empregada. 

Ele se mostrou frio e assumiu que sabia que estava sendo procurado. Disse que pensava em fazer um acordo para se entregar. Ele parecia saber muito bem os riscos das atividades que conduzia. Já a namorada informou que não tinha conhecimento das atividades dele, disse o delegado Araújo. 

O Departamento de Estado norte-americano oferecia uma recompensa de US$ 5 milhões (em torno de R$ 8,7 milhões) pela prisão do colombiano. Contra ele, há um pedido de extradição do governo norte-americano junto ao Supremo Tribunal Federal (STF). Investigações realizadas apontam que o traficante contrabandeou para o Estados Unidos em 1 ano, por meio de containeres marítimos, mais de cinco toneladas de cocaína.

Caro-Chaparro irá responder por tráfico internacional de drogas, formação de quadrilha e lavagem de dinheiro. Ainda não está definido se ele irá para Brasília, mas em breve ele deve ser levado para os Estados Unidos, informou o delegado Araújo. 

Leia mais sobre: tráfico internacional de drogas

    Leia tudo sobre: colômbiapolícia federaltráfico de drogas

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG