Polícia Federal prende mais de 50 suspeitos por tráfico de drogas

RIO DE JANEIRO - Pelo menos 51 pessoas foram presas em duas operações desencadeadas nesta quarta-feira pela Polícia Federal para desarticular quadrilhas que vendiam drogas sintéticas em oito Estados do Brasil e no DF. Uma das operações, denominada Trilha Albis, contabiliza 19 presos, sendo 12 no Rio. A outra ação policial, denominada Nocaute, já contabiliza 32 pessoas detidas, sendo 28 no Rio.

Anderson Dezan, do Último Segundo |

De acordo com o titular da Delegacia de Repressão a Entorpecentes (Dre), Victor César Carvalho dos Santos, as investigações tiveram início entre abril e maio do ano passado e contaram com a colaboração das polícias americana e francesa. Segundo o delegado, cada organização criminosa investigada contava com cerca de 40 integrantes, sendo muitos deles jovens de classe média alta com idades entre 20 e 30 anos.

A organização envolvida na operação "Trilha Albis" atuava em boa parte do Brasil traficando drogas sintéticas como LSD e ecstasy, vindas de países europeus, principalmente da Holanda. Os mesmos suspeitos enviavam para a Europa cocaína proveniente do Paraguai e da Bolívia em mochilas com fundo falso. O grupo criminoso possuía uma estrutura determinada, sendo coordenada por dois irmãos, cujos nomes não foram divulgados.

AE

Homem detido é levado para a sede da Polícia Federal, no centro do Rio

Já a organização investigada pela operação "Nocaute" atuava principalmente no Rio de Janeiro, por meio de uma rede de relacionamentos. Eles importavam drogas sintéticas da Europa e vendiam em boates, academias e festas raves. De acordo com a PF, esse grupo não possuía um líder específico, sendo formado basicamente por um grupo de amigos.

As investigações mostraram que as organizações criminosas investiam cerca de R$ 20 mil na remessa das drogas para o exterior, feita através de mulas, e os traficantes obtiam um lucro estimado em R$ 250 mil. Eles faziam, em média, de três a quatro viagens por mês para a Europa, levando um quilo de cocaína cada.

O esquema também envolvia o tráfico de lança-perfume vindo da Argentina, além de armas e explosivos, provenientes do Paraguai, que entravam no Brasil por Foz do Iguaçu. As armas, entre elas fuzis, metralhadoras e pistolas, seguiam para morros do Rio de Janeiro.

Os detidos nesta quarta-feira foram presos preventivamente e denunciados pelos crimes de tráfico de drogas, tráfico internacional de drogas, associação para o tráfico e porte ilegal de armas. Eles podem pegar até 20 anos de prisão por esses crimes. A PF informou que três pessoas ainda estão foragidas na operação "Trilha Albis" e quatro na "Nocaute".

No total, foram expedidos 64 mandados de prisão, sendo 28 para a operação "Trilha Albis" e 36 para a "Nocaute". Segundo a polícia, algumas pessoas já estavam presas antes das operações serem desencadeadas.

Participam das ações mais de 300 policiais federais, sendo 220 somente no Rio. As prisões ocorrem em bairros nobres da zona sul do Rio, como Lagoa e Copacabana, zona oeste, como Barra da Tijuca e Recreio dos Bandeirantes, zona norte, como Ilha do Governador e Vila Isabel, e no município de Niterói, Região Metropolitana do Rio.

Escutas

O traficante Henrique Dorneles Forni, conhecido como Greg, foi preso na Superintendência da Policia Federal do Rio de Janeiro. Ele é um dos alvos da operação Nocaute.

Greg é considerado um dos principais fornecedores da classe média da zona sul carioca, atendendo inclusive jornalistas e artistas de televisão, que caíram no grampo da Policia Federal, autorizado judicialmente e que, por serem apenas usuários, não serão alvos dos policiais.

O traficante reside em uma cobertura em um prédio de classe alta. Embora o tenha visto entrando no prédio na noite desta terça-feira, a PF não o encontrou em sua casa nesta manhã. Foi pedido reforço: o edifício foi cercado e fechado, e nenhum carro saía sem ser revistado, até que o alvo dos policiais foi encontrado em uma outra cobertura. Ele chegou no outro apartamento pulando da sua cobertura para a do lado e em seguida para essa terceira cobertura, onde foi localizado pelos agentes.

Operação do Bope

Também na manhã desta quarta-feira, uma operação de policiais dos batalhões de Choque e de Operações Policiais Especiais (Bope) deixou três mortos na Favela da Mangueirinha, em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, segundo a Polícia Militar.

Na ação, foram apreendidas duas pistolas e uma granada. Não há informação sobre presos ou feridos, segundo a PM.

Veja também:

Leia mais sobre: tráfico de drogas

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG