Polícia Federal prende 14 suspeitos por crime previdenciário no Maranhão

SÃO LUIZ - A Polícia Federal (PF) do Maranhão desencadeou, nesta quinta-feira, a Operação Balaiada, com o objetivo de reprimir o crime previdenciário no Estado. Já foram cumpridos os 23 mandados de busca e 14 dos 15 mandados de prisão. Segundo o delegado da PF do Maranhão, Gustavo Souza, um dos investigados está foragido.

Redação |

O prejuízo que estas pessoas teriam causado aos cofres da União está definido em R$ 351.812,00, mas este valor pode ser multiplicado por cinco com o decorrer das investigações, informou a PF. Até o momento, com os mandados cumpridos, a PF já apreendeu mais de R$20 mil em espécie, cinco carros e quatro motocicletas.

Os suspeitos são acusados de crimes como o saque de benefícios de pessoas mortas, falsificação de nascimentos e óbitos para gerar benefícios irregulares e alteração de documentos. O delegado conta que existiam até casos de homens que recebiam o salário maternidade.

As prisões são dirigidas a um servidor do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), responsável pelas habilitações e concessões dos benefícios, e a 14 aliciadores, todos da cidade de Caxias, no Maranhão. Os aliciadores seriam os que convenciam as famílias a não registrar o óbito de seus parentes e vender o cartão magnético com benefícios. O servidor do INSS está entre os 14 que já foram presos nesta quinta-feira.

Alguns dos presos estão sendo levados para a Superintendência Regional da Polícia Federal no Piauí, por uma questão de logística, para que todos possam ser ouvidos, disse Souza.

    Leia tudo sobre: pf

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG