investiga o possível favorecimento nos aumentos dos repasses de royalties de petróleo a algumas prefeituras." / investiga o possível favorecimento nos aumentos dos repasses de royalties de petróleo a algumas prefeituras." /

Polícia Federal confrontará documento com inquérito sobre royalties

Mesmo admitindo desconhecer a origem de um documento que circula como sendo um relatório do setor de inteligência da Polícia Federal (PF), o superintendente da corporação no Rio de Janeiro, delegado Ângelo Fernandes Gioia, disse nesta quarta-feira que as informações ali contidas serão confrontadas com as do Inquérito 2415/2007, que http://ultimosegundo.ig.com.br/brasil/2009/04/07/pf+apura+suposto+desvio+de+royalties+da+petrobras+5388097.htmlinvestiga o possível favorecimento nos aumentos dos repasses de royalties de petróleo a algumas prefeituras.

Agência Estado |

Segundo o documento, o diretor da Agência Nacional de Petróleo (ANP), Victor Martins, teria se beneficiado com o aumento do repasse de royalties do petróleo para prefeituras que haviam contratado a assessoria da empresa Análise Consultoria e Desenvolvimento, de sua propriedade e de sua mulher.

Produzido em PowerPoint (programa de computador), o documento tem, segundo o delegado, todas as características de ter sido feito pelo setor de inteligência do Departamento de Polícia Federal (DPF). Porém, ele diz não ter como garantir a sua autenticidade, motivo pelo qual determinou a abertura de inquérito para investigar sua autoria e o seu vazamento a jornalistas. A cópia que está no seu computador foi conseguida, segundo informou, por meio da assessoria de imprensa da PF em Brasília, que o teria recebido de jornalistas.

Conforme Gioia, o documento possui 15 slides nos quais, além de Victor e de sua esposa, Josenia Bourguignon Seabra, são citadas outras pessoas, como o Superintendente de Fiscalização de Abastecimento da ANP, Jefferson Paranhos Santos. Algumas telas apresentam a chamada qualificação dos citados (nome, filiação, data de nascimento e número dos documentos), assim como suas fotos, tal e qual os documentos de inteligência policial.

Leia mais sobre Petrobras

    Leia tudo sobre: petrobras

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG