Polícia do Senado admite desvio de função de agentes

A Diretoria-Geral da Polícia Legislativa do Senado, ocupada interinamente por Rauf de Andrade Mendonça, admitiu o desvio de função por parte dos policiais legislativos. ¿Os motoristas viraram policiais, mas não saíram de lá (setor de transporte) e continuam prestando serviço aos senadores.

Agência Estado |

Todos estão em desvio de função, explicou Mendonça. A questão é política, não depende de nós, mas dos senadores. O diretor-geral do órgão, Pedro Ricardo Araújo, está em férias, segundo informações de seus assessores.

O diretor interino admitiu que a despesa com a terceirização da segurança poderia diminuir, se parte dos 190 policiais em funções administrativas fosse chamada de volta para as suas tarefas. Andrade afirmou também que nem todo serviço da empresa terceirizada faz parte das obrigações da Polícia Legislativa, embora o texto do edital coincida com tarefas que, segundo o regimento, deveriam ser exercidas pelo órgão interno. A ronda feita pela vigilância terceirizada, por exemplo, é específica, diferente.

A assessoria da Primeira-Secretaria do Senado argumentou que o contrato de R$ 10 milhões se deve à união de outros quatro contratos de segurança espalhados pela Casa, de acordo com a recomendação da sindicância interna que identificou falhas nesses serviços.

    Leia tudo sobre: senado

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG