Polícia divulga retrato falado de suspeito de assassinar menina de 9 anos

CURITIBA - A polícia do Paraná divulgou nesta sexta-feira o retrato falado do suspeito de ter assassinado a menina Rachel Maria Lobo Oliveira, de 9 anos. De acordo com o delegado que investiga o caso, Jaime da Luz, o homem é moreno claro (queimado de sol), tem cabelos escuros e olhos claros. O suspeito também aparenta ter mais de 50 anos, 1,68m de altura e cerca de 70 kg.

Redação |


Divulgação

Retrato falado do suspeito

Ainda de acordo com informações divulgadas pelo delegado, o suspeito foi visto pela última vez vestindo camisa branca, calça jeans, jaqueta marrom napa e sapatos.

O retrato foi feito a partir do depoimento de um comerciante que alegou ter vendido uma mala semelhante à que o corpo de Rachel foi encontrado, pouco antes da descoberta do crime.

De acordo com a Secretaria de Segurança Pública, através do retrato falado o delegado responsável pelas investigações cruzou informações e chegou à conclusão de que o suspeito é acusado também por estupros realizados em São Paulo.

Na manhã desta sexta-feira, cerca de mil pessoas fizeram uma passeata silenciosa em homenagem à garota, nas ruas do centro de Curitiba. Participaram os pais de Rachel e colegas da escola onde ela estudava.

A menina, que estava desaparecida desde segunda-feira, foi encontrada morta dentro de uma mala, na madrugada de quarta-feira, em um local próximo à Rodoferroviária da capital paranaense. Dentro da mala foi encontrada a camiseta do uniforme escolar de Rachel e um lençol.

Informações preliminares do Instituto Médico Legal (IML) apontam que a menina morreu por asfixia e sofreu abuso sexual. O laudo do IML ficará completo somente em 30 dias, com os resultados do exame toxicológico.

Nesta quinta-feira, uma multidão acompanhou o enterro de Rachel, que aconteceu no Cemitério Municipal Santa Cândida, em Curitiba.

O caso é investigado pela Delegacia de Homicídios de Curitiba. A Secretaria da Segurança Pública (SSP) do Paraná determinou sigilo sobre a investigação.

Orkut

Reprodução

Rachel, em foto do orkut


Rachel tinha uma página no site de relacionamentos Orkut, onde afirmava gostar de ler e de ginástica olímpica. Milhares de pessoas deixaram mensagens na página da menina, prestando solidariedade à família. O perfil, no entanto, foi excluído da página de relacionamentos.

Leia mais sobre: assassinato

    Leia tudo sobre: assassinatocuritiba

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG