Polícia de São Paulo apura novo golpe que resulta em seqüestro

Uma nova forma de seqüestro se transformou em uma das principais preocupações da Divisão Anti-Seqüestro (DAS) de São Paulo. A polícia está atrás de uma quadrilha que já fez dezenas de vítimas em todo o País.

Agência Estado |

O bando anuncia em jornais de circulação nacional ou regional carros importados ou máquinas agrícolas com até 50% de desconto. Quando questionados pelos interessados, dizem que o preço se deve ao fato de terem isenção de impostos. Exigem, no entanto, pagamento à vista.

O preço do negócio se transformará no valor do resgate da vítima, dominada no encontro para fechar o negócio. A quadrilha é muito violenta: já assassinou dois policiais, e uma de suas vítimas está desaparecida há dois meses, mesmo depois de a família ter pago o resgate.

Eles atuam em todo o Brasil e fizeram vítimas em Goiás, São Paulo, Rio, Paraná e Santa Catarina, disse a delegada Juliana Pereira Godoy Rodrigues, da Divisão Anti-Seqüestro de São Paulo. Uma de suas vítimas, o empresário Manuel Martins de Oliveira, de Goiânia, foi atraído a São Paulo pelo anúncio de uma picape Dodge Ram.

O carro com cabine dupla, que vale R$ 140 mil, estava sendo oferecido pelo preço do modelo da picape com cabine simples - cerca de R$ 100 mil. O caso mobilizou até o senador Demóstenes Torres (DEM-GO), que telefonou ao secretário da Justiça de São Paulo, Luiz Antônio Marrey. Fui procurado pela família e, como ex-promotor e senador, telefonei para o Marrey, disse.

Segundo a delegada, os bandidos recebem os telefonemas dos interessados e passam a selecionar a vítima. Pedem garantias de que ela terá como fazer o negócio e dizem que a compra deve ser à vista - em dinheiro ou cheque. A

o mesmo tempo, o bando explica ao comprador a razão do preço baixo. O vendedor diz ser diretor de porto, como o de Santos (SP) ou o de Paranaguá (PR), ou afirma trabalhar na Receita, daí o fato de ser isento de impostos na aquisição do veículo importado ou de ter a primazia na venda de mercadorias apreendidas pelo Fisco.

O bando então marca um encontro com a vítima. Caso ela não tenha trazido dinheiro ou cheque, os bandidos telefonam à família e exigem o pagamento. Os seqüestradores sabem que a vítima tem dinheiro e querem como resgate pelo menos o valor do veículo, disse a delegada, responsável por apurar o seqüestro de Oliveira.

O bando exige que a família da vítima deposite o dinheiro em várias contas correntes da Bahia, Minas, Paraná e São Paulo. A polícia sabe que as contas estão em nome de laranjas e movimentam até R$ 650 mil por dia.

Leia mais sobre seqüestro

    Leia tudo sobre: seqüestro

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG