Polícia civil acha prova contra policiais acusados de mortes

SÃO PAULO - A Polícia Civil encontrou o machado que teria sido usado por um grupo de PMs do 37º Batalhão acusados de decepar quatro rapazes detidos em abordagens na região do Capão Redondo, na zona sul da cidade. Doze PMs são acusados pelos crimes e estão presos.

Agência Estado |

Quatro já foram indiciados por homicídio e outros três vão ser indiciados nesta quarta por duplo homicídio. De acordo com a Polícia Civil, os soldados Marcos Aurélio Pereira Lima, Ronaldo Reis Santos e Rodolfo da Silva Vieira confessaram participação nos crimes.

Há suspeitas de que outras 13 vítimas tenham sido decepadas pelo grupo de extermínio. O machado foi encontrado na última segunda-feira, num poço ao lado de um terreno baldio, perto da sede do 37º Batalhão.

Policiais civis localizaram a arma graças a uma denúncia. Uma faca também foi apreendida. Na residência do soldado Lima, em Osasco, a polícia diz ter apreendido um computador e CDs com imagens que mostram Lima e outro homem, além de crianças, portando facas, revólveres, pistolas e escopetas.

Os soldados Lima, Ronaldo dos Reis Santos, de 27 anos, e Jonas Santos Bento, de 25, vão ser indiciados nesta quarta-feira na Delegacia Seccional de Taboão, na Grande São Paulo, pelo duplo homicídio de Roberth Sandro Campos Gomes, de 19 anos, o Maranhão, e de Roberto Aparecido Ferreira, de 20, o Bebê.

O sargento Moisés Alves Santos, de 28 anos, o cabo Joaquim Aleixo Neto, de 46, e os soldados Anderson dos Santos Sales, de 30, e Rodolfo da Silva Vieira, de 27, foram indiciados pela morte de Antônio Carlos da Silva Alves, de 31 anos, em 9 de outubro de 2008. As informações são do jornal "O Estado de S. Paulo".

Assista ao vídeo

Leia mais sobre: grupos de extermínio

    Leia tudo sobre: policialpolícia

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG