Polícia abre inquérito sobre desabamento na Renascer; 10 pessoas já foram ouvidas

SÃO PAULO - Em entrevista concedida nesta terça-feira, o delegado Dejar Gomes Neto, responsável pelo inquérito sobre o desabamento da Igreja Renascer, que aconteceu no último domingo, disse que o laudo do Instituto de Criminalística vai determinar a causa do acidente. Ele disse que a perícia começou os trabalhos no domingo, mas as amostras de material só poderão ser colhidas após o que restou do templo ser demolido, o que é responsabilidade da Renascer.

Livia Machado |

Sobre o andamento do inquérito, Gomes Neto disse que, até então, 10 pessoas, feridos envolvidos no desabamento, foram ouvidas, seis na segunda-feira e quatro nesta terça. 17 intimações já foram expedidas, os ofícios solicitam depoimentos de profissionais da prefeitura, do Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia de São Paulo (CREA-SP), do Corpo de Bombeiros, do Departamento de Controle e do Uso de Imóveis da Prefeitura (Contru), do pastor que estava do culto e do engenheiro responsável pelo alvará concedido à Renascer. O delegado espera ouvir entre quatro e cinco pessoas na quarta-feira. 

Segundo Gomes Neto, algumas das vítimas relataram que já tinham visto gotejamento do ar condicionado e pontos com infiltração. Em dois dias de investigação o laudo já tem 200 páginas e todos os possíveis envolvidos serão ouvidos. Procuraremos ouvir o maior número de vítimas possível, entretanto não será necessário ouvir todas, afirma.

Ele diz que não tem pressa para concluir as investigações e, de acordo com o relato das vítimas, foi possível constatar que o teto desabou a partir do altar, no lado esquerdo, feito uma pista de skate. Devido a isso as mortes se concentraram no centro da igreja, pois as laterais eram menos vulneráveis.

Responsabilidade investigada

Em 1998, o teto da Igreja Universal desabou e os reponsáveis pelas investigações ouviram todas as vítimas e oito pessoas foram denunciadas. Entretanto, o crime prescreveu. Ao ser questionado sobre as chances de isto se repetir no caso da Renascer, o delegado Dejar Gomes Neto disse que com absoluta certeza não prescreverá.

Ele também disse que ainda não é possível apontar culpados e a Igreja mostrou interesse em colaborar com a apuração dos fatos. A partir do momento em que o inquérito for encerrado, aos possíveis responsáveis serão atribuídos os crimes de lesão corporal e homicídio.

Sobre a falta de registro no CREA da empresa Etersul, que reformou o telhado da Renascer em 2008 , o delegado disse que toda a documentação será entregue à polícia para apuração.

O delegado afirmou que todos os envolvidos no caso serão ouvidos e que é cedo para fazer suposições. Entretanto, ele não descarta a hipótese de ter ocorrido negligência da prefeitura em relação à fiscalização.

O acidente

O teto da Igreja Renascer do Cambuci desabou por volta das 18h50 de domingo e atingiu fiéis que chegavam para assistir ao culto das 19h. Segundo informações dos bombeiros, cerca de 600 pessoas estavam no local, que tem capacidade para abrigar 2 mil. Foi neste templo que, em dezembro de 2005, o meia-atacante do Milan, Kaká, casou-se.

Veja também:

Leia mais sobre: desabamento - Renascer

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG