PMs serão indiciados por morte de engenheira no Rio

RIO DE JANEIRO - Um ano após o desaparecimento da engenheira Patrícia Franco, de 24 anos, a Delegacia de Homicídios vai indiciar dois policiais militares por homicídio e pelo menos outros seis por ocultação de cadáver. A linha de investigação mais forte é que ela foi executada por dois PMs ao sair do Túnel do Joá, na Barra da Tijuca (zona oeste) quando tentava escapar de uma blitz irregular realizada por outros policiais, na noite de 14 de junho do ano passado.

Agência Estado |

O pai de Patrícia, o analista de sistemas Antônio Celso Franco, de 54 anos, fala com esperança sobre as investigações.

"O delegado informou que no início da próxima semana encerra o inquérito. Queremos saber de tudo, que o caso seja resolvido e os culpados sejam presos. Se possível, pelo resto da vida", desabafou.

Reprodução

A engenheira de produção Patrícia Aimeiro Franco

O drama da família dele começou na madrugada do dia em que Antônio celebraria seu 53º aniversário. Patrícia voltava de um show no Morro da Urca, na Praia Vermelha (zona sul).

As imagens das câmeras de segurança mostram a moça saindo normalmente do local. Às 4 horas ela se despediu de uma amiga e voltou sozinha dirigindo seu Palio cinza em direção à Barra da Tijuca, onde morava com os pais.

Na saída do Túnel do Joá, segundo a perícia, o carro desceu uma ribanceira, capotou e parou nas águas do Canal Marapendi. Uma patrulha com o cabo Marcos Paulo Nogueira Maranhão e o soldado William Luis do Nascimento, do 31º BPM (Recreio dos Bandeirantes), estava no local.

O Corpo de Bombeiros foi acionado pelos policiais por telefone cerca de 15 minutos depois do acidente, apesar de a sede do Grupamento Marítimo de Salvamento ficar nas proximidades.

"Minha mulher atendeu ao telefone, às 7h30. Uma policial civil informou do acidente e que o corpo da minha filha não havia sido localizado", recordou Antônio.

Dezenas de bombeiros com embarcações e o apoio de um helicóptero procuram o corpo no canal, mas acharam apenas o relógio e duas pulseiras da engenheira. A Polícia Civil começou então a suspeitar da versão de acidente contada pelos policiais militares.

Duas semanas depois, o irmão de Patrícia, Adriano Franco, de 26 anos, foi até a oficina mecânica para onde o carro foi rebocado e percebe duas marcas de tiro no capô.

O caso, registrado como "acidente com desaparecimento da vítima" na 16ª DP (Barra da Tijuca), foi transferido para a Divisão Anti-Sequestro (DAS). Em setembro, o Núcleo de Desaparecidos da Delegacia de Homicídios (DH) assumiu o caso.

Sem o corpo, a DH se baseia na perícia que descobriu um total de quatro perfurações de tiros na frente do carro e em uma reprodução simulada derrubou a versão de acidente contada pelos policiais militares. A tese mais forte é que Patrícia não parou em uma blitz irregular da PM.

"Ela se assustou por algum motivo, provavelmente uma falsa blitz em São Conrado, na altura de um posto de gasolina. Eles comunicaram a fuga dela por rádio aos PMs que faziam a patrulha na saída do túnel onde o carro foi alvejado. Pela velocidade do Palio, a perícia constatou que não houve tempo para que eles escapassem de um atropelamento ou pedissem para minha filha parar", disse o pai.

Outros PMs

A investigação apontou que além da dupla de patrulheiros, outros seis PMs do 31º BPM estiveram no local após a queda do carro no canal. O delegado adjunto da DH, Ricardo Barbosa, que investiga o caso, apresentará nos próximos dias a conclusão sobre o papel que cada um dos policiais militares teve na operação de ocultação do cadáver da engenheira.

Uma das linhas de investigação é que milicianos da zona oeste teriam ajudados os PMs a sumir com o corpo. O que teria acontecido com o corpo de Patrícia ainda é um mistério.

Relembre o caso:

Leia mais sobre: engenheira desaparecida

    Leia tudo sobre: desaparecidaengenheiraviolência

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG