PMDB pede 60 dias para Sarney provar sua inocência

BRASÍLIA - O vice-líder do PMDB no Senado, Valdir Raupp (TO), fez um apelo a seus pares para que, ao invés de pedir que o presidente da Casa, José Sarney (PMDB-AP), tire uma licença de 60 dias, ou enquanto durem as investigações dos atos secretos, que ele fique e nesse período prove sua inocência. De acordo com Raupp, exigir o afastamento é fazer um ¿pré-julgamento¿.

Severino Motta, repórter em Brasília |


Alguns senadores e bancadas querem licença. Estão fazendo um pré-julgamento sem direito a defesa. Porque não dar 60 dias para ele [Sarney] comprovar sua inocência, já que as investigações estão no âmbito externo e não só mais no interno. Pela primeira vez na história do Senado está sendo pedido à Polícia Federal para investigar, disse.

Agência Senado
Presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP),
Presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP),

Raupp ainda leu uma nota de apoio do partido ao presidente Sarney.
Nela são citadas ações tomada s pelo presidente para aplacar a crise, entre elas a publicação de um portal da transparência e alteração das normas para nomeação do diretor geral da Casa.

Veja abaixo a integra do documento:

"NOTA DA BANCADA DO PMDB NO SENADO

As instituições brasileiras vivem um processo permanente de aperfeiçoamento interno, com o objetivo de bem servir à sociedade. Com o Senado Federal, não poderia ser diferente.

A bancada do PMDB tem consciência dessa necessidade e, por isso mesmo, apóia integralmente a apuração de todos os fatos com repercussão jurídica necessária, a fim de tornar o Senado Federal uma instituição respeitada pela sociedade. A sua modernização e a transparência político-administrativa são compromissos que a bancada do PMDB não abre mão.

Sob a presidência do Senador José Sarney, a Mesa Diretora tem agido em consonância com esses objetivos.

Em virtude de erros administrativos que se acumularam ao longo dos anos, vários procedimentos já foram e outros estão sendo adotados, a exemplo da instauração de sindicâncias; inquéritos na Polícia Federal a pedido do próprio Senado; convocação do Ministério Público e Tribunal de Contas da União para acompanhar tais procedimentos; normatização do pagamento de horas-extras; regulamentação do uso da cota de passagens aéreas; auditoria nos contratos e na folha de pagamento; recadastramento de todos os servidores; criação, em tempo recorde, do portal da transparência, com acesso universal sem necessidade de senhas; corte linear no orçamento; consulta pública das despesas dos Senadores; mudança da regra para a nomeação do Diretor-Geral, além de decisões de caráter reparador e punitivo como afastamento de servidores e demissão de diretores.

Os senadores do PMDB têm consciência das suas responsabilidades e aprovam as ações que estão sendo realizadas. Este é o momento para a implementação de grandes mudanças e, por isso mesmo, o partido continuará apoiando o Presidente José Sarney e a Mesa Diretora na consecução desse objetivo.

Brasília, DF, 30 de junho de 2009"

Leia também:

Leia mais sobre: Sarney

    Leia tudo sobre: ato secretopmdbsarneysenado

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG