A aliança entre PMDB e PT na Bahia, iniciada no segundo turno da eleição municipal de 2004 - quando o atual prefeito, João Henrique Carneiro (PMDB), foi eleito para o primeiro mandato - e que teve como ponto alto a eleição do governador petista Jaques Wagner, em 2006, foi oficialmente terminada na noite de ontem, com a entrega de três cartas formalizando o pedido do partido de sair do governo. De acordo com a liderança do PMDB baiano, as cartas foram entregues depois de o partido tentar agendar uma reunião, para uma última tentativa de acordo, segundo o ministro da Integração Nacional, Geddel Vieira Lima - pré-candidato do partido ao governo na eleição do ano que vem.

"O governador não quis nos receber".

Wagner nega a versão. "Passei a noite administrando a crise da questão da segurança (a PM baiana anunciou que promoveria 'greve branca' a partir de segunda-feira) e, quando cheguei ao Palácio de Ondina (residência oficial do governador), recebi as cartas, que foram deixadas na portaria. Achei estranho." As cartas, dos dois secretários de governo indicados pelo PMDB - de Infraestrutura, Antonio Carlos Batista Neves, e de Indústria, Comércio e Mineração, Rafael Amoedo - e do presidente da Junta Comercial do Estado da Bahia (Juceb), Afrísio Vieira Lima (pai de Geddel), apresentam os pedidos de exoneração dos secretários e a disponibilização dos cerca de 100 cargos ocupados pelo partido na máquina estadual.

"Não era o que eu desejava", afirma Wagner. "Eu estava trabalhando pela unidade, seguindo aquilo que o presidente Lula defende, mas a decisão está tomada e às vezes é melhor uma decisão assim do que ficar arrastando a decisão indefinidamente. Até o final da semana, vou trabalhar nas substituições." Para ele, a saída do PMDB do governo não muda a direção da administração estadual, mas altera as relações entre os partidos. "O PMDB deixa de estar no nosso projeto, mas vou continuar trabalhando e me preparar com aqueles que querem estar conosco na caminhada para 2010", afirma. "É um processo natural."

Geddel admite que o PMDB passa a fazer parte da oposição ao governo estadual, apesar de não integrar o bloco formado, principalmente, pelos Democratas, "que tem uma postura diferente", na sua opinião. "Temos claras divergências políticas e administrativas com o governo", avalia o ministro, que chegou a chamar o governo Wagner de "medíocre".

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.