PMDB do Distrito Federal decide se afastar do governo Arruda

BRASÍLIA - O PMDB do Distrito Federal decidiu nesta noite se afastar imediatamente do governo de José Roberto Arruda (DEM), acusado pela Polícia Federal de comandar um suposto esquema de pagamento regular de propina para aliados e parlamentares de sua base na Câmara Legislativa, em troca de apoio político. A decisão foi tomada durante reunião da executiva regional do partido, da qual participaram 13 integrantes.

Agência Brasil |


Determinamos o afastamento imediato do governo de todos os quadros do PMDB, disse o presidente regional da partido, deputado federal Tadeu Felippelli. Segundo ele, todos os peemedebistas locais tomaram conhecimento da decisão da sigla. O afastamento do governo, acrescentou, é do PMDB como um todo.

Em nota distribuída à imprensa, o partido se diz preocupado com a governabilidade e orienta que o afastamento de seus filiados obedeça aos ritos legais de cada uma das funções hoje ocupadas para que não haja solução de continuidade da administração pública.

Quanto aos peemedebistas citados no processo que apura as denúncias, explicou Felippelli, o partido aguardará a conclusão das investigações feitas pelos órgãos competentes para se manifestar sobre as providências a serem tomadas.

Entre os cargos ocupados pelo PMDB no governo do DF, estão a presidência da Novacap, uma diretoria da Codeplan, a chefe de gabinete do governador Arruda e a Administração de Brasília. O partido tem três deputados distritais e também a liderança do governo na Câmara.

Leia também

Entenda


Inquérito da PF


Crise de 2001

    Leia tudo sobre: demdinheirojosé roberto arrudapmdbpropina

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG