PMDB deve marcar amanhã nova data para convenção

A Executiva Nacional do PMDB deverá decidir amanhã, em Brasília, se adia ou não a convenção partidária que reelegerá o presidente da Câmara, deputado Michel Temer (SP), para o cargo de presidente da legenda. Como o mandato de Temer na presidência do PMDB termina em 10 de março, a convenção havia sido prevista, inicialmente, para o dia 6 de março, mas, na semana passada, a cúpula do partido decidiu antecipar a reunião em um mês.

Agência Estado |

Agora, no entanto, o próprio Temer passou a defender a manutenção da data inicial.

Temer informou que está ponderando, dentro do partido, em favor do adiamento depois de ter recebido um apelo do governador de Santa Catarina, Luiz Henrique da Silveira. Ligado aos dissidentes que falam em lançar candidatura própria ao Planalto, e já apresentaram o nome do governador do Paraná, Roberto Requião, como alternativa do PMDB na corrida presidencial, Luiz Henrique disse a Temer que seu grupo não aceita a data de 6 de fevereiro para a convenção. Mesmo sem argumentos jurídicos sólidos para contestar a nova data, eles ameaçaram entrar na Justiça contra a antecipação. É isto que Temer quer evitar.

Temer começou a semana tentando convencer a cúpula governista defensora do apoio à candidatura presidencial da ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff (PT), de que o adiamento é a melhor saída para evitar conflitos internos desnecessários. O que o deixou mais desconfortável foi a análise de Luiz Henrique - e também de outros correligionários alinhados com a candidatura Dilma - de que a antecipação passaria a ideia de golpe.

Foi diante disso que Temer pediu ao líder do PMDB no Senado, Renan Calheiros (AL), que conversasse com os companheiros. "É melhor deixar para 6 de março, que ninguém pode dizer nada. Não estou disposto a enfrentar argumento do golpe e do tapetão", disse Calheiros.

Inconveniências

Mas fazer a convenção em março também leva a inconveniências políticas. A principal delas é não reforçar o próprio Temer com um novo mandato de presidente antes da reunião do PT, que anunciará a candidatura de Dilma Rousseff no dia 18 de fevereiro.

Para os governistas do PMDB, que hoje são maioria folgada no partido, Temer é o nome de consenso para ser o vice na chapa presidencial petista. O problema é que as resistências ao nome dele dentro do PT crescem a cada dia, e o partido quer se impor diante do aliado, mostrando que a escolha do vice é dos peemedebistas, e não do PT.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG