O senador Pedro Simon, que também é presidente estadual do PMDB no Rio Grande do Sul, confirmou hoje que o partido vai deixar o governo de Yeda Crusius (PSDB) em janeiro. Estamos saindo pelo fato de termos definido a candidatura de José Fogaça (prefeito de Porto Alegre) e de sabermos que a governadora também é candidata, explicou o parlamentar, referindo-se à eleição de 2010.

Apesar da separação de rumos, Simon disse que o PMDB não irá para a oposição.

O senador também deixou aberta a possibilidade de alguns de seus integrantes permanecerem no governo. "Se a governadora precisar, ou quiser, pode manter alguns colaboradores a convite", admitiu. O PMDB ocupa três secretarias - Saúde, Desenvolvimento e Habitação - e comanda a Companhia Riograndense de Saneamento (Corsan), a Companhia Riograndense de Mineração (CRM) e o Banco do Estado do Rio Grande do Sul (Banrisul).

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.