PMDB catarinense define candidato ao governo

O PMDB catarinense lançou, no final da tarde deste sábado, a pré-candidatura do ex-governador Eduardo Pinho Moreira ao governo do Estado. Com uma diferença de 99 votos, Moreira, que é presidente estadual da sigla, venceu o prefeito de Florianópolis, Dário Berger, em uma disputa acirrada.

Agência Estado |

A militância do partido optou por "cantar" os votos um a um. Pelo menos 96% dos militantes compareceram às urnas.

A votação aconteceu de 9 horas às 17 horas no auditório do Palácio Barriga Verde, sede da Assembleia Legislativa do Estado, no centro de Florianópolis. Os militantes lotaram o local formando verdadeiras torcidas organizadas, demonstrando a possibilidade de um "racha" nas eleições de outubro, embora os candidatos tentassem transparecer união, afeto mútuo e a intenção de unificar o partido em prol da campanha de quem vencesse a prévia.

O partido pretende dar continuidade ao modelo de gestão do ex-governador peemedebista Luiz Henrique da Silveira, que renunciou ao cargo na última quinta-feira para se lançar candidato ao Senado nas eleições de outubro. LHS, como é conhecido em Santa Catarina, ficou sete anos à frente do Centro Administrativo Estadual.

O ex-governador e pré-candidato ao Senado afirmou ter 81% de aprovação da sua gestão no Estado, tendo como fonte uma pesquisa recentemente encomendada para consumo interno. "As condições estão postas para continuarmos governando Santa Catarina. No futuro próximo iremos ganhar as eleições", projetou.

Já o indicado do PMDB ao governo do Estado, Eduardo Moreira, tem grande número de simpatizantes no Sul do Estado, onde concentra a base eleitoral. Os peemedebistas enfatizaram que após o término do processo intrapartidário, encerrado hoje com a convenção, os meses seguintes serão de intensa campanha para alcançar o terceiro mandato consecutivo do partido no governo estadual.

O ex-tucano Dário Berger foi eleito prefeito de Florianópolis em 2008, após 23 anos da última gestão municipal da sigla, com a posse de Edison Andrino em 1986. Por conta disso, comenta-se nos bastidores que a militância peemedebista quis a vitória de Moreira para que o partido não entregasse a prefeitura ao PR do vice-prefeito João Batista Nunes. Berger passou os últimos meses anunciando Eduardo como candidato dele, mas no último mês se lançou pré-candidato às prévias.

Demonstrando tranquilidade, Moreira disse que o PMDB catarinense "não tem dono". "O nosso partido é comandado pela militância. Dário e eu nos respeitamos e caminhamos juntos. Minha marca está na dedicação e na lealdade", declarou o indicado do PMDB.

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG