PMDB apresenta nesta semana representação contra Virgílio, diz Calheiros

BRASÍLIA - Apesar de ser uma decisão tomada pela bancada do PMDB, o líder Renan Calheiros (PMDB-AL) afirmou nesta segunda-feira que a representação ao Conselho de Ética contra o líder do PSDB, Arthur Virgílio (AM), será protocolada ¿no decorrer da semana¿. Segundo ele, é necessário aguardar a presença em Brasília dos parlamentares que começam a chegar após o recesso parlamentar.

Agência Brasil |

  • Sarney está disposto a "enfrentar" acusações, afirma Múcio
  • Sarney nega responsabilidade em ação de censura contra o "Estado"

  • Agência Senado
    Arthur Virgílio
    Arthur Virgílio
    O texto da representação já está pronto e deve cobrar a apuração de três fatos que envolvem o líder tucano: o pagamento de salário a um funcionário do seu gabinete enquanto ele fazia um curso no exterior; a legalidade do ressarcimento financeiro pelo Senado dos gastos da mãe do parlamentar com tratamento de saúde; e o socorro financeiro de cerca de US$ 10 mil concedido pelo ex-diretor-geral do Senado Agaciel Maia ao tucano durante viagem ao exterior.

    Calheiros reafirmou que a iniciativa de representar contra Virgílio decorre do fato dele praticamente ter forçado o PSDB a representar contra o presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), no Conselho de Ética. O problema é que o Arthur Virgílio levou o PSDB a tomar uma atitude e, diante disso, não poderíamos agir diferente.

    O peemedebista negou que a iniciativa represente qualquer senha para intimidar outros senadores que defendem o afastamento do presidente da Casa. Não é do meu feitio telefonar para chantagear ou pressionar ninguém, disse Calheiros à Agência Brasil.

    Essa hipótese foi levantada por Virgílio. O tucano acredita que possa estar sendo usado pelo líder do PMDB para intimidar outros parlamentares. Ele afirmou que não renunciará ao mandato mesmo que a representação siga adiante e um eventual pedido de cassação de seu mandato seja votado em plenário. Não renuncio. Não há hipótese. Largo a política se eles [PMDB] tiverem força para isso tudo. Talvez estejam me usando para intimidar terceiros e quartos [senadores], mas não me intimidarão, continuarei a fazer denúncias.

    Leia também


    Leia mais sobre crise no Senado

      Leia tudo sobre: arthur virgílioato secretopmdbpsdbsenado

      Notícias Relacionadas


        Mais destaques

        Destaques da home iG