PM arrastado e morto em Diadema é sepultado

SÃO PAULO ¿ Foi enterrado sob forte comoção, nesta sexta-feira, o soldado da PM Alexandre Sérgio de Oliveira Sobrinho, de 29 anos, assassinado na última quinta-feira em Diadema depois de ter sido arrastado por cerca de 600 metros. Os três suspeitos, Davison da Silva Lira, de 19 anos, William Braga de Sá, de 22, e Johnny Araújo dos Santos, de 20 anos, serão ouvidos pelo delegado Ivaney Cayres de Souza, delegado seccional de Diadema nesta tarde.

Redação com Agência Estado |

De acordo com a Polícia, Oliveira e seu colega de viatura autuavam um motociclista que dirigia sem capacete frente de um bar. O carro, dirigido por Davison, parou na via em local proibido. William estava no banco do passageiro. Johnny e Rivaldo, no banco de trás.

O soldado foi pedir para o motorista desbloquear o trânsito, enquanto seu colega terminava de autuar o motoqueiro. Eles, porém, não atenderam ao pedido. Segundo a polícia, os passageiros seguraram o braço esquerdo do PM e Davison arrancou com o carro.

Após andar cerca de 600 metros, eles deram uma freada brusca e largaram o braço do policial. Ele rolou pela via e bateu a cabeça contra o muro de uma empresa.

O carro estava emprestado e pertencia a Adeilson de Jesus, de 24 anos. Na tarde de ontem, Jesus foi até a delegacia registrar um boletim de ocorrência de roubo do carro a pedido de William. Lá, ele disse primeiramente que o veículo havia sido roubado horas antes do assassinato do soldado. A polícia desconfiou e o reteve. Mais tarde, Jesus mudou a versão e admitiu que William ligou para ele pedindo que fizesse o boletim.

Indiciado por falsa comunicação de crime, Jesus foi liberado na noite de ontem. Rivaldo foi localizado horas depois de Jesus inventar o roubo na delegacia.

Leia mais sobre: Violência em SP

    Leia tudo sobre: pm

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG