Planos de saúde devem R$ 3,8 bilhões ao SUS

Auditoria realizada pelo Tribunal de Contas da União (TCU) revela que a Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) deixou de cobrar dos planos de saúde R$ 3,8 bilhões entre 2001 e 2008. O valor é referente a atendimentos de média e alta complexidade, como hemodiálise, e exames como ressonância magnética, feitos no Sistema Único de Saúde para pacientes portadores de planos e seguros.

Agência Estado |

Pela lei, todas as vezes que um usuário de plano é atendido na rede pública, há a possibilidade de o SUS receber o reembolso das operadoras.

Mas os valores podem ser muito maiores. Segundo o ministro do TCU Valmir Campelo, relator do processo, se somados outros procedimentos mais simples, R$ 10 bilhões deixaram de entrar nos cofres públicos. "O entendimento era que somente deveriam ser cobradas internações, e não tratamentos de média e alta complexidade", afirma Campelo. Mas, em sua interpretação, "o ressarcimento vale para tudo, não só para internações".

Além de cobrar menos do que é de direito, o relatório do TCU mostra que a ANS é lenta no momento de acionar as operadoras. Entre um procedimento ser realizado e o pedido de ressarcimento ser feito, há uma espera de um a dois anos. Quando isso ocorre, é preciso ainda esperar, quando não há atrasos, 389 dias para que o processo seja julgado até a 2ª instância. Por decisões na Justiça, ficou determinado também que as operadoras podem recorrer a uma 3ª instância, que seria a diretoria colegiada da ANS. Há 1.594 recursos aguardando julgamento. Até hoje, nenhum foi julgado. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Leia mais sobre: SUS

    Leia tudo sobre: saúdesus

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG