Tamanho do texto

RIO DE JANEIRO - A diretora da organização não-governamental S.O.S. Aves, Cecília Breves, hospeda atualmente três pinguins na varanda de sua cobertura, no Humaitá, na zona sul do Rio de Janeiro.

AE
Pinguim convive com cachorro no Rio

Acordo Ortográfico

Cerca de 100 pinguins devem sair do Zôo de Niterói e embarcar no próximo dia 7 no navio Ary Rongel, da Marinha Brasileira, em direção ao CRAM (Centro de Reabilitação de Animais Marinhos) do Museu Oceanográfico da Universidade Federal do Rio Grande.

Lá, passam pelos últimos exames e são levados para alto-mar, onde pegam correntes que levam ao Estreito de Magalhães, na Patagônia.

Este ano, estima-se que mais de dois mil deles aportaram em praias do Estado, a maior parte já morta. Dos 500 vivos, cerca de 100 conseguiram se recuperar e sobreviver. Eles chegam machucados e fracos.

Algumas pessoas que encontraram pinguins nas praias acabaram levando para casa. O Ibama desaconselha a medida e pede que sejam avisados, para recolher os animais.

Leia mais sobre: pinguim