Pichador do Cristo se entrega à polícia no Rio de Janeiro

O pintor de paredes Paulo Souza dos Santos, de 28 anos, suspeito de ser um dos pichadores da estátua do Cristo Redentor, se entregou à polícia nesta quinta-feira, na Delegacia de Proteção ao Meio Ambiente, em São Cristóvão, zona norte do Rio de Janeiro.

iG São Paulo |

Em entrevista ao jornal "O Dia", divulgada nesta quarta-feira, Santos afirmou ter feito a pichação para protestar contra a demora nas investigações de crimes no Rio.

AE
Santos (no centro) chega à delegacia ao lado do Partor Marcors Pereira da Silva

"Queria pedir perdão a Deus e à população carioca. Eu sei que cometi um ato errado. As pessoas estão achando que sou bandido ou traficante. Não sou nada disso. Sou um ex-militar. Não tinha a noção de que meu ato teria essa repercussão toda", disse o pichador, em entrevista ao jornal "O Dia".

Paulo ficou escondido na casa de amigos, com medo de sofrer algum tipo de agressão. Ele e Edmar Batista de Carvalho, o Zabo, de 26 anos, são acusados de pichação ao monumento público, crime ambiental e injúria por preconceito (por se tratar de imagem religiosa). Se condenados, poderão cumprir pena de um a três anos de reclusão.

Genilson Araújo / Agência O Globo

Parte da cabeça da estátua do Cristo Redentor pichada no Rio de Janeiro

Na quinta-feira da semana passada, a estátua do Cristo Redentor amanheceu com os braços e a face pichadas com frases que diziam "Onde está a engenheira Patrícia?" (referência ao desaparecimento ainda não esclarecido da engenheira Patrícia Amiero, em junho de 2008) e "Quando os gatos saem os ratos fazem a festa".

Todas as câmeras de vigilância do Cristo estão desligadas desde os temporais da semana passada. Os dois homens aproveitaram os andaimes que estão sendo usados nas obras de recuperação do monumento para chegar ao topo da estátua.

Leia também:

Leia mais sobre: Cristo Redentor

    Leia tudo sobre: cristo redentor

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG