http://educacao.ig.com.br/acordo_ortografico/Acordo Ortográfico hspace=4 src=http://images.ig.com.br/educacao/reforma_140x75.gif align=left vspace=3 border=0 SÃO PAULO - A Polícia Federal de São Paulo instaurou nesta quarta-feira um inquérito policial para apurar um suposto vazamento de informações da ação que resultou na prisão temporária contra o empresário Marcos Valério, realizada na semana passada. A investigação detectou que na quinta-feira, um dia antes da Operação Avalanche prender o publicitário, Valério teria sido alertado sobre o pedido de prisão.

Segundo a nota divulgada pela PF, Marcos Valério, réu do esquema conhecido por mensalão, "poderia ter empreendido fuga, não fosse a vigilância especial imposta por policiais federais".

Valério foi preso na última sexta como suposto articulador de um esquema de corrupção para forjar um inquérito contra dois fiscais da Fazenda de São Paulo que autuaram em R$ 104,54 milhões a Cervejaria Petrópolis - cujo presidente, Walter Faria, é amigo do publicitário.

Na terça-feira, a Justiça Federal decidiu prorrogar por mais cinco dias o pedido de prisão de temporária de Marcos Valério. A decisão foi baseada na gravidade das acusações que pesam contra o publicitário.

Quem é Marcos Valério

OBrito News
O empresário Marcos Valério ficou conhecido pelo envolvimento no caso do "mensalão" em 2005. De acordo com denúncias do então deputado Roberto Jefferson, o empresário participava da distribuição de "mesadas" de R$ 30 mil a deputados de partidos da base aliada do Partido dos Trabalhadores (PT).

Ele foi denunciado ao Supremo Tribunal Federal por corrupção ativa por duas vezes, peculato por três vezes, lavagem de dinheiro, evasão de divisas e formação de quadrilha.

Veja também:

Leia mais sobre: Operação Avalanche

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.