PF prende prefeito eleito e mais 12 por crimes contra a Previdência no RS

PORTO ALEGRE - A Polícia Federal (PF) prendeu, na manhã desta terça-feira, 13 pessoas suspeitas de integrarem duas quadrilhas que fraudavam a Previdência Social, entre elas dois servidores. Segundo informações da PF, um destes presos é um prefeito eleito da região do Vale do Taquari, no centro do Estado do Rio Grande do Sul. Os grupos atuavam no Rio Grande do Sul e concediam benefícios irregulares aos envolvidos. A PF estima que o prejuízo causado por essas quadrilhas é de, no mínimo, R$ 5,3 milhões.

Redação |

Acordo Ortográfico

Pelo menos 120 policiais federais e 12 servidores do Ministério da Previdência cumpriram mandados de prisão e de busca e apreensão estabelecidos pelas operações Chacrinha e Sonho Encantado. Todas as prisões foram realizadas.

De acordo com a PF, as supostas quadrilhas eram lideradas por servidores da Previdência. A irregularidade cometida pelo grupo consistia, principalmente, na inclusão de tempo de contribuição inexistente, que em alguns casos chegou a 30 anos.

Divulgação
Divulgação

Dinheiro apreendido em operação da Polícia Federal

Os envolvidos nas fraudes poderão ser indiciados por estelionato previdenciário, inserção de dados falsos em sistemas de informação, peculato, formação de quadrilha e falsidade ideológica.

A Operação Chacrinha recebeu este nome em referência ao apresentador Abelardo Barbosa, cujo sobrenome é o mesmo do principal investigado, um Coronel Reformado da Brigada Militar. Segundo a PF, ele teve 28 anos de tempo de serviço inexistente registrados no INSS, o que lhe rendia uma aposentadoria fraudulenta de mais de R$ 3 mil por mês. Ele ainda possuía diversos colaboradores a quem definia como corretores, encarregados de arregimentar pessoas dispostas a solicitar benefício previdenciário em troca de uma parcela do valor que seria recebido com a fraude.

No curto período que durou a investigação foi possível constatar que ele aumentou vertiginosamente seu patrimônio, reformando sua residência e de seus familiares, adquirindo imóveis, terrenos urbanos e veículos. O valor apurado de prejuízo até o momento é de R$ 330 mil nos cinco meses de investigação, podendo chegar a R$ 7 milhões.

Já a Operação Sonho Encantado foi nomeada de acordo com a cidade onde a quadrilha atuava concedendo os benefícios irregulares, Encantado. Os integrantes deste grupo aproveitaram-se do esquema para obter suas aposentadorias de modo fraudulento.

Segundo estimativas preliminares, o prejuízo aos cofres públicos supera R$ 5 milhões, sendo que este valor aumentaria muitas vezes se não fosse descoberto, pois os beneficiados permaneceriam recebendo a aposentadoria toda a vida.

Durante os cumprimentos dos mandados de busca, nesta terça-feira, já foram apreendidos U$ 53700, R$ 39.840 e pedras aparentando ser esmeralda (a ser confirmado pela perícia) e jóias.

Além da Polícia Federal, participam da operação também o Ministério da Previdência Social e o Ministério Público Federal.

Leia mais sobre: operações da PF

    Leia tudo sobre: fraudeoperação da pfprevidência

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG