PF prende chefe de quadrilha que fraudava INSS no Paraná

Benefício mais usado era o de assistência de amparo ao idoso. Investigações duraram seis meses

Agência Brasil |

A Polícia Federal prendeu nesta quarta-feira, em Curitiba, um intermediário acusado de fraudar benefícios previdenciários do Instituto Nacional do Seguro Social. A Operação Zíngara, em conjunto com o Ministério da Previdência Social e Ministério Público Federal, desarticulou uma quadrilha que agia na capital paranaense e região metropolitana

De acordo com informações da Polícia Federal, por determinação da juíza substituta da 1ª Vara Federal Criminal da capital paranaense, foram cumpridos sete mandados de busca e apreensão em Itaperuçu, na região metropolitana. No total, 26 policiais federais e seis servidores do Ministério da Previdência Social participaram da operação.

As investigações duraram, segundo a Polícia Federal, cerca de seis meses e revelaram que o acusado agia como procurador e intermediador de benefícios do INSS há mais de dez anos. Ele usava documentos em nome de pessoas fictícias e prestava informações falsas quanto ao endereço, renda e condição física de beneficiários.

“A quadrilha não conseguia apresentar comprovantes de residências, então apresentava os supostos beneficiários como sendo ciganos”, explicou o chefe da Delegacia de Combate a Crimes da Previdência, Marcos Eduardo Cabello.

Segundo ele, o benefício mais usado era o de assistência de amparo ao idoso. "Eles inventavam nomes de pessoas cujas características se enquadravam no benefício", afirmou. Até agora, de acordo com o delegado, a Justiça determinou a suspensão cautelar de 14 benefícios previdenciários cujas investigações revelaram ter sido concedidos de forma fraudulenta. Ele disse que o montante do prejuízo ocasionado aos cofres públicos será conhecido somente após o final das investigações.

    Leia tudo sobre: operaçãoPolícia Federal

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG