PF indicia 24 suspeitos pela fraude dos selos no RS

RIO GRANDE DO SUL - A Polícia Federal indiciou 24 pessoas por participação no desvio R$ 2,8 milhões em selos da Assembléia Legislativa do Rio Grande do Sul, entre 2004 e maio do ano passado, quando a fraude foi descoberta. Estão na relação o ex-diretor administrativo da Casa, Ubirajara Amaral Macalão, os deputados estaduais Kahlil Sehbe (PDT) e Paulo Brum (PSDB), o ex-candidato ao parlamento italiano Adriano Bonaspetti, funcionários do Legislativo e empresários.

Agência Estado |

O inquérito foi encerrado na setxa-feira, depois de um ano de investigações, e remetido ao Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4).

Segundo o delegado Andrei Augusto Passos Rodrigues, Macalão comandava o esquema, mas havia uma cadeia de operadores e de pessoas que também se beneficiavam da fraude.

O ex-diretor administrativo foi acusado de adulterar notas fiscais para fazer a Assembléia Legislativa pagar selos que eram desviados com descontos para terceiros e depois recolocados no mercado. Para isso, ele contava com ajuda de um representante comercial dos Correios, que teria facilitado as operações, e com um distribuidor, que revendia os selos para agências lotéricas, escritórios e empresas.

A investigação indicou que Sehbe, Brum e Bonaspetti, que concorreu à vaga de representante sul-americano no parlamento italiano, compraram selos do esquema montado por Macalão para suas campanhas eleitorais em 2006. Os dois deputados estaduais, indiciados por peculato doloso e utilização de documento falsificado, admitiram que compraram selos da MR Entregas, franqueada dos Correios, por indicação do então diretor administrativo da Assembléia. Mas alegam que não sabiam que os selos chegavam ao fornecedor por meios ilícitos e se disseram enganados.

Em sua última aparição pública, em março, Macalão sustentou que não roubou nada da Assembléia Legislativa gaúcha e declarou-se inocente. As ligações feitas para o telefone de Bonaspetti não foram atendidas. O italiano foi indiciado por peculato doloso.

Leia mais sobre: fraudes

    Leia tudo sobre: fraude

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG