PF faz operação contra grupo neonazista em Minas Gerais

BELO HORIZONTE (Reuters) - A Polícia Federal apreendeu nesta sexta-feira materiais de cunho nazista numa operação contra um grupo radical acusado de disseminar teorias racistas na região metropolitana de Belo Horizonte. Ninguém foi preso e há suspeitas de ligações com outros grupos neonazistas. Segundo o delegado Marinho Silva Rezende Júnior, a polícia chegou ao grupo graças a denúncias feitas por internautas que encontraram perfis e comunidades nazistas no site de relacionamentos Orkut.

Reuters |

"Foram seis meses de investigações, por causa da dificuldade de chegarmos à identidade dos suspeitos", disse o delegado. A identificação só foi possível com ordem expedida pela Justiça Federal, que também determinou as buscas e apreensões desta sexta-feira.

Segundo Marinho Júnior, após perícia no material apreendido, os suspeitos devem responder pelo crime de divulgação do nazismo, que pode render pena de até cinco anos de prisão.

Foram apreendidos computadores, panfletos e jornais próprios, além de DVD, CDs e grande quantidade de literatura nazista. Entre os livros apreendidos está Mein Kampf (Minha Luta), escrito por Adolf Hitler, com várias anotações nas beiradas das páginas.

O material foi apreendido em três casas de Belo Horizonte e em uma de Contagem, na região metropolitana da capital mineira. A PF não revelou o nome dos suspeitos. Segundo Rezende Júnior, todos são estudantes universitários ou secundaristas de classe média, sem passagens pela polícia.

A PF suspeita que o grupo de Belo Horizonte tenha ligações com uma outra organização radical do Paraná.

Um dos alvos da operação desta sexta-feira é amigo de infância de um jovem de 24 anos, que recentemente foi encontrado morto com a namorada na região metropolitana de Curitiba. Ele teria sido assassinado por conta de uma disputa pelo controle de um grupo neonazista da região.

Os policiais farão uma perícia nos computadores apreendidos nesta sexta-feira para verificar se houve comunicação entre os grupos.

(Reportagem de Marcelo Portela)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG