PF faz operação contra quadrilha acusada de fraudar até R$ 500 milhões

Segundo a Polícia Federal, crimes eram cometidos em rede de postos de combustível no Paraná, em Santa Catarina e São Paulo

iG São Paulo |

A Polícia Federal (PF) apreendeu nesta quarta-feira em Guarapuava, no Paraná, documentos fiscais e contábeis, extratos bancários, veículos, cheques e dinheiro que serão úteis no inquérito policial federal que investiga uma quadrilha acusada de adulterar combustíveis e sonegar tributos federais e estaduais.

Leia também: PF prende 20 suspeitos de fraude estimada em R$ 90 milhões

Divulgação
Operação Hidra foi deflagrada nesta quarta-feira em três Estados
Os crimes eram cometidos em rede de postos de combustível no Paraná, em Santa Catarina e São Paulo. Cerca de 400 servidores, entre policiais federais, civis e militares e agentes da Receita Federal estão trabalhando na Operação Hidra, que deverá prosseguir até que sejam cumpridos os 93 mandados de busca e apreensão expedidos pela 2ª Vara Criminal de Guarapuava.

Segundo o delegado Maurício Todeschini, em um mesmo estabelecimento foram encontrados documentos referentes a 20 empresas, ficando configurado o crime de constituir, na mesma cidade, estabelecimentos diferentes, com alterações de endereço, em nome de supostos laranjas, com diferentes inscrições do Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) e do Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica (CNPJ),

"Em dinheiro, cheques e notas promissórias foram apreendidos R$ 2 milhões. Várias pessoas estão sendo ouvidas no Grupo de Atuação Especial contra o Crime Organizado (Gaeco) e na Polícia Federal, mas até agora ninguém foi preso", informou Todeschini. A polícia suspeita que esses crimes cheguem a R$ 500 milhões.

A quadrilha agia em Santa Catarina, São Paulo e, principalmente, no Paraná, no município de Guarapuava, a 250 quilômetros de Curitiba, base da organização criminosa. Estão sendo executadas várias medidas judiciais cautelares de bloqueio de contas bancárias e de sequestro de bens móveis e imóveis em nome dos principais envolvidos e de empresas utilizadas para ocultação dos recursos obtidos com as práticas ilícitas.

O que a polícia apurou até agora é que o esquema criminoso era comandado por um núcleo familiar de Guarapuava. A quadrilha teria praticado crimes de sonegação de tributos estaduais e federais em rede de postos de gasolina, adulteração de combustíveis, fraude à execução fiscal, blindagem patrimonial, ocultação de bens e direitos, além de possível evasão de divisas.

*Com Agência Brasil

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG