PF e Receita do Rio desmontam esquema de fraude no Imposto de Renda de R$ 35 mi

RIO DE JANEIRO - Em uma operação conjunta com a Polícia Federal, o setor de inteligência da Receita Federal do Rio de Janeiro desbaratou um esquema de fraudes em declarações de ajuste anual do Imposto de Renda executado pelo contador Paulo César Frizeira, servidor do fundo de pensão dos empregados da Cedae (Companhia de Águas e Esgotos do Rio de Janeiro), a Prece Previdência. Com esquema, R$ 35 milhões teriam sido sonegados.

Redação com agências |

Segundo a Receita Federal, o contador e seus agentes visitavam grandes empresas com a desculpa de oferecer o serviço de contabilidade. A proposta de se conseguir restituições de Imposto de Renda mais vultosas era feita para executivos com altos rendimentos.

Os fraudadores retificavam as declarações, inserindo dependentes e falsas despesas médicas e de instrução. O contador ganhava entre 10% e 15% do imposto apurado a mais e, quando ele percebeu que era um bomnegócio, começou a retificar declarações até de 2004, explicou o auditor da Receita Lênonidas Quaresma.

A operação foi denominada Conto do Vigário e não houve mandado de prisão contra o contador. No entanto, na manhã desta sexta-feira, agentes da Polícia Federal e auditores da Receita cumpriram mandados de busca e apreensão em três endereços, inclusive no local de trabalho de Frizeira, no escritório da Prece, na Praça Pio XI, no centro do Rio de Janeiro. Foram recolhidos computadores e documentos, principalmente na residência dele, no bairro de Irajá, zona norte do Rio.

Segundo as investigações da Receita Federal, Frizeira foi responsável, apenas este ano, pela apresentação de cerca de seis mil declarações de ajuste anual fraudadas de forma a aumentar o imposto a ser restituído.

Todas estas seis mil declarações já começaram a ser analisadas pela Receita. Entre as 200 já revistas, há um beneficiário autuado em R$ 180 mil por imposto devido, multa e juros. Os que tiverem sua participação na fraude comprovada, podem, além de pagar uma multa de 150% sobre o imposto apurado a mais, responder por crime contra a ordem tributária. 

(*com informações da Agência Estado)

    Leia tudo sobre: pf

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG