PF apreende documentos e computador de gabinetes de deputados em Brasília

SÃO PAULO - A Polícia Federal cumpriu nesta sexta-feira, nos gabinetes dos deputados João Magalhães (PMBD-MG) e Ademir Camilo (PDT-MG) na Câmara dos Deputados, em Brasília, dois mandados de busca e apreensão. A iniciativa faz parte da Operação João de Barro, a maior do ano, com cerca de 1000 agentes que buscam cumprir 231 mandados de busca e apreensão e 38 mandados de prisão temporária. A PF informou que são investigadas 119 prefeituras e que devem ser presos empresários e lobistas.

Redação com Agência Estado |

Os agentes saíram do gabinete do deputado Ademir Camilo carregando uma sacola grande, de cor marrom. Os policiais deixaram a sala sem dar declarações. Um funcionário do gabinete do deputado, que não quis se identificar, informou que o parlamentar está chegando a Brasília.

Do gabinete de João Magalhães, os agentes levaram vários documentos, um laptop e, aparentemente, um HD (disco rígido de computador). Essa não é a primeira vez que João Magalhães é investigado. Ele já é acusado pelo Ministério Público de Governador Valadares de liderar um esquema de fraudes de licitações em municípios do leste e do Vale do Jequitinhonha, em Minas Gerais. Os policiais chegaram por volta das 10 horas e foram autorizados pela Polícia Legislativa, que acompanhava o trabalho da PF.

De acordo com a PF, a o grupo investigado é suspeito de desvio de recursos repassados pela União aos Estados, Distrito Federal e municípios em convênios ou empréstimos cedidos pela Caixa Econômica Federal e BNDES nas chamadas transferências voluntárias da União. Grande parte dessas transferências se destina a custear obras que fazem parte do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). 

De acordo com a PF, até o momento, os projetos apresentados pelo esquema receberam o repasse de R$ 700 milhões e a operação pode impedir que mais R$ 2 bilhões tenham o mesmo destino. 

Algumas das prefeituras investigadas são de cidades como Betim, Juiz de Fora, Governador Valadares e Uberlândia, em Minas, Angra dos Reis e Cabo Frio, no Rio, e Palmas, no Tocantins. Veja lista completa com as prefeituras envolvidas.

Em comunicado, a PF informou que "com menos dinheiro para a execução, as obras não apresentaram o padrão de qualidade e quantidade previsto no projeto original". Essas verbas públicas eram destinadas, principalmente, à construção de casas populares e estações de tratamento de esgoto em vários municípios.

A operação acontece em sete Estados: São Paulo, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Rio Grande do Norte, Minas Gerais, Goiás, Tocantins e no Distrito Federal.

Leia também:

Leia mais sobre: operações da Polícia Federal

    Leia tudo sobre: pf

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG