Petróleo do pré-sal traz necessidade de defender território nacional, afirma Lula

BRASÍLIA - O presidente brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva afirmou nesta segunda-feira que o Brasil prima pela paz, mas que precisa ter recursos para defender seu território, principalmente com a descoberta do petróleo do pré-sal. A frase foi dita por Lula em entrevista coletiva ao lado de seu par francês Nicolas Sarkozy, falando sobre os acordos assinados pelos dois países na área de defesa. Lula também confirmou que pretende comprar 36 aviões de combate franceses.

Redação |


Lula disse que o Brasil é um País que "prima pela paz". No entanto, ele lembrou o tamanho do território brasileiro e disse que "agora, descobrimos uma riqueza que é o pré-sal", que está em uma área tão grande quanto a territorial. E justificou: "investimentos em defesa são uma forma de defender nosso território". 

Vamos produzir conjuntamente equipamento que reforçarão a capacidade tecnológica do Brasil, para fortalecer e a proteger os recursos naturais brasileiros. (...) Fazer investimento na área da defesa, é a gente cuidar do nosso território, de nossa soberania, com muito mais cuidado. Afinal de contas, deve sempre passar pela nossa cabeça que o petróleo já foi motivo de muitas guerras e muitos conflitos. Nós não queremos nem conflitos, e nem guerras por aqui. 

Lula disse que ambos os países "consolidaram a parceira estratégica" que foi iniciada em 2005. "Brasil e França estão juntos para consolidar o diálogo entre desenvolvidos e emergentes", disse o presidente.

Presidência da República

Lula entrega camisa da seleção brasileira a Sarkozy após reunião em Brasília

O presidente afirmou que que "a visita de Sarkozy é a consolidação de uma parceria estratégia entre dois povos que têm muita coisa em comum. Não é só uma parceria comercial (...). Queremos pensar junto, criar juntos, construir juntos e, se for possível, vender juntos".

Lula celebrou a relação entre os países, dizendo que o comércio bilateral mais do que dobrou desde 2003 e que o estoque de investimentos franceses no Brasil aumentou 50% em três anos.

Aviões de caça

Lula confirmou a intenção do Brasil de optar pelo modelo de caça francês Rafale na concorrência para renovação da frota de aeronaves da Força Aérea. Em declaração conjunta com Sarkozy, antes da coletiva, os dois decidiram estabelecer uma parceria também no domínio aeronáutico.

Lula anunciou a decisão da parte brasileira de entrar em negociação para a aquisição de 36 aviões franceses. Já o presidente francês comunicou a intenção da França de adquirir 10 unidades da futura aeronave nacional de transportes militar KC-390, cujo projeto está sendo desenvolvido pela Embraer e tem produção prevista para começar em 2015, e manifestou a disposição de contribuir para o desenvolvimento do programa desta aeronave.


O caça Rafale, que deve ser comprado pela Força Aérea / Divulgação

Por sua vez, Lula não confirmou se o fato de entrar em negociações com a França para a aquisição de aviões significa que os demais candidatos -aeronaves americanas e suecas - estão descartados. "Significa pura e simplesmente que abrimos negociações para a compra do Rafale. Para nós o avião é muito importante, mas mais importante que o avião é a tecnologia".

Sarkozy, porém, deu uma pista de que o processo está decidido e o Brasil deve mesmo adquirir as aeronaves francesas. O chefe de governo faz uma escolha de princípios e depois começamos as negociações em privado. É assim que as coisas estão funcionando. Foi feita a escolha por princípios e eu anunciei a decisão de comprar aviões de transporte brasileiros.

O ministro da Relacoes Exteriores, Celso Amorim, também não quis afirmar que as outras duas opções da licitação foram descartadas, mas deu a entender que o negócio será fechado com os franceses.

"Não entrei no entendimento legal da questão [se o processo de licitação está ou não encerrado]. O que houve foi uma decisão de iniciar negociações. Não houve essa mesma decisão em relação aos outros . No meu entendimento, a compra da aeronaves faz parte do mesmo pacote.

A declaração final do encontro chama ainda a atenção para a finalização dos contratos para a compra, pelo Brasil, de helicópteros franceses de transporte EC 725, quatro submarinos convencionais, além da parceria para a construção de um submarino a propulsão nuclear. Também na área de defesa, a declaração registra a decisão das empresas Agrale e Renault Trucs Défense de se associarem na produção e comercialização de veículos de transporte militar.

Força

Por sua vez, sobre os acordos na área de defesa, Nicolas Sarkozy afirmou que "um país forte é um país capaz de se defender". Ele lembrou que a França é o país europeu que proporcionalmente mais investe no setor. "Uma França segura é uma Europa segura", disse.

Os grandes atores do mundo tem uma plano de defesa ambicioso. Queremos trabalhar em conjunto com vocês. Queremos construir aviões em conjunto, vender aviões em conjunto. A França será um parceiro confiável e eficaz. E ganharemos juntos com isso, completou Sarkozy.

Sarkozy concluiu que "gostaria de dizer que toda a França apoia a candidatura do Rio de Janeiro para os Jogos Olímpicos de 2016" e disse que a escolha da capital fluminense seria "fantástica" para o Brasil e a América Latina.

Desfile

Mais cedo, Lula e Sarkozy assistiram juntos ao Desfile da Independência. Devido ao ano da França no Brasil, o país teve participação especial nos festejos. Além da bandeira francesa, a banda da marinha francesa, com o primeiro regimento de infantaria da guarda republicana de honra, a patrulha acrobática francesa, e o terceiro regimento estrangeiro de infantaria da legião estrangeira participaram da parada.

Agência Brasil
Os presidentes Nicolas Sarkozy, da França, e Luiz Inácio Lula da Silva acenam para populares antes do desfile de 7 de Setembro na Esplanada dos Ministérios

Sarkozy e Lula da Silva acenam para populares antes do desfile de 7 de setembro

O desfile contou com a participação de 4.450 pessoas ¿ 3.300 militares e 1.150 civis -, 94 viaturas, entre blindados, tanques e caminhões, 51 motos e 231 cavalos. Uma pirâmide humana, com 30 homens em uma moto foi destaque pirotécnico. Houve manifestações culturais, como o bumba-meu-boi do Seu Teodoro, a Orquestra Popular Municipal da Ceilândia, o Centro Cultural Raízes do Brasil, além do espetáculo da Esquadrilha da Fumaça.

(Com apuração de Christian Baines)

Leia mais sobre: governo Lula

    Leia tudo sobre: armasfrançalula

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG