Petrobras vai manter prazo de 30 dias para pagamento da nafta

Por Rodrigo Viga Gaier RIO DE JANEIRO (Reuters) - A Petrobras vai manter o prazo de 30 dias para as empresas pagarem pela nafta comercializada pela estatal, informou nesta quarta-feira o diretor de Abastecimento da empresa, Paulo Roberto Costa.

Reuters |

Ele explicou que a nova fórmula --que já está em vigor e é mais abrangente que a anterior-- iria reduzir o prazo para 15 dias, mas houve reclamação dos clientes.

"Essa foi uma mudança para atender ambas as partes, tanto a Petrobras quanto seus clientes. O objetivo é tornar o preço da nafta o mais próximo possível das condições de mercado", explicou Costa à Reuters, após cerimônia de posse do novo presidente da Petrobras Biocombustíveis, Miguel Rossetto, ex-ministro do Desenvolvimento Agrário.

A antiga fórmula levava em conta apenas o preço de referência da região da ARA (Antuérpia, Roterdã e Amesterdã). Agora, também considera o preço do produto petroquímico e o preço do petróleo, além da ARA.

BIODIESEL

O novo presidente da Petrobras Biocombustíveis, Miguel Rossetto, que atuava em uma das diretorias da companhia, afirmou a jornalistas que a empresa vai investir este ano 60 milhões de reais para duplicar a planta de biodiesel de Candeias e ampliar as unidades de Quixadá e Montes Claros.

Além disso, os recursos também deverão ser destinados para duas unidades experimentais em Guamaré (RN), que passarão a produzir para o mercado este ano.

As produção das três plantas deve aumentar de 174 milhões de litros para aproximadamente 250 milhões de litros em 2009.

"Hoje operamos com soja, algodão... e estamos nos condicionando para operar com dendê, sebo bovino e girassol."

Rossetto afirmou que a Petrobras deve anunciar a construção, ainda este ano, de uma nova planta de biodiesel no Norte do Brasil, com investimentos previsto em 100 milhões de reais. A planta teria capacidade para 90 milhões ao ano.

Ele disse ainda que empresa vai entrar ainda este ano como produtora no mercado de álcool brasileiro.

Segundo Rosseto, há várias negociações em andamento, e a estratégia da Petrobras Biocombustíveis é ser parceira de empresas com experiência no setor.

"Nosso objetivo claro é participar da produção de etanol ainda em 2009. Temos fortes investimentos em etanol, 80 por cento do nosso investimento é para a produção de etanol, temos estratégia de aquisições e associações em análises", afirmou sem dar mais detalhes.

(Edição de Roberto Samora e Denise Luna)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG