FORTALEZA - De acordo com matéria divulgada pelo jornal Folha de S. Paulo, na edição deste domingo, a crise no mercado de crédito e os recentes problemas de caixa da Petrobras vão alterar o cronograma de investimentos da empresa nos próximos anos. Com exceção da exploração de petróleo do pré-sal, as duas refinarias ´Premium´, no Ceará e Maranhão, terão seus cronogramas ´alongados´, para adequar o caixa da empresa a tempos de crise, de acordo com o jornal Diário do Nordeste.

A informação foi antecipada pelo Diário do Nordeste, no último dia 20 de novembro, baseado nas informações do diretor de Investimentos da Petrobras, Paulo Roberto da Costa, de que o projeto de refinaria cearense, a ser instalada no complexo industrial e portuário do Pecém, poderia ser revisto na revisão do planejamento estratégico da empresa para o período 2013-2019.

Para o presidente da Agência de Desenvolvimento do Estado do Ceará (Adece), Antônio Balhman, o projeto não será paralisado ou interrompido e que o Governo do Estado continuam trabalhando dentro da programação pré-estabelecida. "Nós não recebemos nenhuma informação oficial da Petrobras, mas diante dessa dificuldade de crédito era esperada uma certa dificuldade na implantação desse investimento que é de médio prazo", frisou.

Para Balhman, toda a sua convicção é de que a refinaria é estratégica não só para o Ceará, mas para a Petrobras e para o próprio País. "Diante da confirmação da exploração do pré-sal, nos deixa a certeza de que as plantas das refinarias serão mais do que necessárias devido o aumento das reservas brasileiras de petróleo", afirmou.

Ele observa que o fato de as refinarias do Ceará e Maranhão estarem no seu início permite que absorvam mais um tempo para que a empresa ultrapasse essa fase de crise, mas que mesmo com o tempo dilatado os processos estão ocorrendo normalmente e a geração de informações não sofreram nenhuma interrupção.

Leia mais sobre: pré-sal

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.