Petrobras diz que preços atuais do petróleo são insustentáveis

Por Roberto Samora SÃO PAULO (Reuters) - O atual patamar de preços no mercado internacional de petróleo, em torno de 40 dólares o barril em Nova York, é insustentável, porque as cotações obrigatoriamente terão de subir para garantir uma produção que atenda a atual demanda global pela commodity, disse nesta terça-feira o diretor de Abastecimento da Petrobras, Paulo Roberto Costa.

Reuters |

"Se ficar baixo, alguns países vão deixar de investir, não é o caso do Brasil. Mas isso acontecerá nas (áreas de produção das) areias do Canadá, no Ártico, na Faixa do Orinoco (Venezuela). Investimentos não vão ser feitos", declarou Costa a jornalistas.

Segundo o executivo da Petrobras, se os países deixarem de investir em novas áreas de produção, "o preço vai subir". "Então, esse preço de 30 a 40 dólares não tem sustentação", destacou, observando que o pico acima de 147 dólares também não se sustentava, sendo fruto de especulação.

Costa lembrou que a produção em todos os campos de petróleo cai cerca de 10 por cento ao ano, e que se a demanda mundial, em meio à crise, apenas se mantiver em 85 milhões de barris/dia, haverá problemas para atender ao consumo, no caso de redução de investimentos.

"As companhias de petróleo têm que investir, para manter um mercado mesmo estagnado, aumentando em 8,5 milhões de barris por dia a produção anual (por causa da queda natural nos campos de petróleo)", disse.

"Se não tiver atratividade, as empresas não vão investir. Se não colocarem (dinheiro), não vai ter oferta, e aí o preço sobe."

O diretor avalia que "a crise é o melhor" momento para investir, ressaltando que a demanda pode se reduzir agora, mas a empresa estará mais bem preparada quando o consumo for retomado.

Ele não quis adiantar questões relativas ao plano de negócio 2009-13, que deve ser apreciado pelo conselho da companhia no final deste mês.

AJUSTE DE PREÇOS

O diretor reafirmou que a política de repasse de preços do petróleo para o consumidor de combustíveis no país é de longo prazo e que a empresa não repassa a volatilidade dos mercados futuros para o valor da bomba.

Mas ele admitiu que a Petrobras poderá ajustar o preço quando os mercados ficarem mais estáveis.

"Quando a Petrobras entender que vamos ter um patamar adequado, pode ter um ajuste de preço", declarou Costa.

Ele não especificou se os preços dos combustíveis seriam ajustados para baixo, apesar de as cotações atuais estarem em valores de cerca de 100 dólares abaixo dos recordes registrados em meados no ano passado.

Costa disse ainda que a empresa não concluiu a avaliação sobre o volume de combustíveis consumidos no país no ano passado, mas observou que o crescimento do mercado deve ter ficado "próximo de 3 por cento, talvez um pouco abaixo".

De janeiro a novembro do ano passado, o diretor havia afirmado no início de dezembro que o crescimento no consumo de combustíveis no Brasil havia ficado em 3,2 por cento, ante o mesmo período de 2007.

Para 2009, ele evitou fazer previsões, afirmando que isso será debatido durante as discussões do plano de investimentos.

(Edição de Denise Luna)

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG