suspendê-lo por um ano. O medida, segundo o deputado, o impede de participar de votações e de comissões na Câmara dos Deputados e o obriga a retirar projetos de lei que tratem sobre aborto, além de não poder votar nem ser votado em reunião do partido." / suspendê-lo por um ano. O medida, segundo o deputado, o impede de participar de votações e de comissões na Câmara dos Deputados e o obriga a retirar projetos de lei que tratem sobre aborto, além de não poder votar nem ser votado em reunião do partido." /

Petista irá ao Supremo contra suspensão por quebra de ética

BRASÍLIA - O deputado Luiz Bassuma (PT-BA) afirmou nesta quinta-feira que irá ao Supremo Tribunal Federal (STF) questionar a decisão do Diretório Nacional do PT de http://ultimosegundo.ig.com.br/brasil/2009/09/17/pt+suspende+parlamentar+por+quebra+de+etica+partidaria+8502919.htmlsuspendê-lo por um ano. O medida, segundo o deputado, o impede de participar de votações e de comissões na Câmara dos Deputados e o obriga a retirar projetos de lei que tratem sobre aborto, além de não poder votar nem ser votado em reunião do partido.

Sarah Barros, repórter em Brasília |

O processo na Comissão de Ética do partido começou há um ano, quando a Secretaria Nacional das Mulheres acusou Bassuma e o também deputado federal Henrique Afonso (AC) de desrespeitar orientação da legenda pela legalização do aborto. No caso de Bassuma, a Comissão de Ética entendeu que as manifestações teriam sido agressivas a ponto de renderem a expulsão. Já Afonso sofreu uma suspensão de 90 dias das atividades partidárias, podendo continuar as atividades na Câmara normalmente.

Em minha defesa, disse que haveria duas decisões: ou a absolvição ou a expulsão. Não faz sentido optarem pela suspensão porque sou réu confesso. Vou continuar defendendo o direito à vida e contra o aborto, afirmou Bassuma, reiterando que não irá cumprir a pena aplicada pelo PT.

Ele também não pretende deixar o partido, ao qual está filiado há 15 anos. "Acho que o partido tem que dar liberdade para todos se manifestarem. Assim como eu, há vários parlamentares, vereadores que são contra o aborto, assim como há vários a favor e devem se manifestar, destacou.

Para Bassuma, a decisão do PT sobre seu caso mostra que o partido tem mudado nos últimos anos. Eu entrei no PT porque era um partido democrático, onde as pessoas podiam se manifestar. O PT, nessa decisão, perde a alma de quando ele foi criado há 30 anos, lamentou.

Leia mais sobre: PT - aborto

    Leia tudo sobre: abortopt

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG