Pesquisas com seres humanos poderão ter novas regras

As regras mundiais para pesquisas com seres humanos poderão mudar neste ano. A última rodada de discussão pública sobre o assunto ocorre nesta semana, em São Paulo.

Agência Estado |

Estarão em debate a partir de amanhã alterações importantes, como a participação de crianças em estudos de medicamentos, e polêmicas, caso da ampliação do uso do placebo - substância inócua empregada para comparar resultados - nas avaliações científicas, além da garantia de acesso dos participantes das pesquisas ao que é estudado.

A Declaração de Helsinque, alvo das mudanças coordenadas pela Associação Médica Mundial, é considerada a Bíblia da pesquisa biomédica com seres humanos e surgiu em 1964 como resposta aos horrores cometidos por cientista engajados no nazismo. O documento já passou por outras cinco revisões, além de ter recebido notas de esclarecimento, a mais recente delas em 2004.

No processo atual, o Brasil foi um dos países convidados a fazer parte do grupo técnico de revisão. As decisões tomadas nesta semana serão referendadas em outubro, na Coréia do Sul. "São decisões que irão influenciar as pesquisas biomédicas em todo o mundo", afirma o gerente de Pesquisa Clínica do hospital Oswaldo Cruz, Gustavo Kesselring, um dos especialistas brasileiros que participam da revisão.

Segundo Kesselring, o teste em crianças é um ponto importante porque, atualmente, boa parte das dosagens dos remédios são definidas com base em extrapolações das dosagens para adultos, o que gera riscos. Também em poucos estudos há participação de mulheres. A situação gerou nos últimos anos um movimento internacional pela inclusão dessas minorias nas pesquisas - no Brasil, já há regras para isso, assim como na Europa e nos EUA.

Placebo

As discussões sobre a ampliação do uso do placebo dividem opiniões entre os que querem banir seu uso, aqueles que defendem a aplicação cuidadosa e os que querem a ampliação de testes com substâncias inócuas, explica Débora. "O problema é que um dos paciente sempre vai receber 'nada' como tratamento", destaca. Resolução do início deste mês do Conselho Nacional de Saúde, órgão de controle social do Sistema Único de Saúde (SUS), defendeu o "uso moderado" do placebo - a decisão ainda não foi homologada pelo ministro José Gomes Temporão. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo .

AE

    Leia tudo sobre: iG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG