A pesquisa Sensus, divulgada nesta terça-feira e que http://ultimosegundo.ig.com.br/brasil/2010/04/13/serra+e+dilma+aparecem+empatados+em+pesquisa+eleitoral+9457107.html target=_topmostra empate entre os presidenciáveis Dilma Rousseff e José Serra, não surpreendeu o PT. O PSDB, no entanto, colocou dúvidas sobre a veracidade do resultado, lembrando que o levantamento foi feito a pedido de um sindidato.

O presidente nacional do PT, José Eduardo Dutra, disse que não é hora de subir no salto alto e que só comemora o resultado de eleição. Eu não comemoro pesquisa. Eu acho que eles vão ficar empatados até o começo da campanha, no meio do ano. 

Segundo a sondagem, Serra tem 32,7% das intenções de voto, enquanto Dilma aparece com 32,4%; Ciro Gomes (PSB) com 10,1% e Marina Silva (PV), 8,1%. Votos brancos ou nulos somam 7,7%. A margem de erro é de 2,2 pontos percentuais, para mais ou para menos.

Eleições 2010

Pesquisa Sensus/Sintrapav de abril de 2010

Gerando gráfico...
Sensus/Sintrapav

Para Dutra, as críticas da oposição sobre o desempenho da ministra na pré-campanha se revelaram factóides. Na semana passada, durante viagem de Dilma a Minas Gerais , lideranças do PSDB, DEM e PPS disseram que ela escorregou ao sugerir uma parceria com o governador do Estado, Antonio Anastasia. Só mostra como eles criam factóides. Eles estão sem discurso, sem projeto, reagiu. 

De acordo com o deputado José Eduardo Cardozo (PT-SP), secretário-geral do PT, o resultado surpreendeu positivamente o partido. É fantástico. A pesquisa mostra que a Dilma está numa linha ascendente e em pouco tempo vai ultrapassar nosso adversário. É muito acima da nossa expectativa, disse Cardozo.

O dirigente petista evitou a polêmica sobre a diferença entre Sensus e Datafolha ( que dá nove pontos de vantagem para Serra ), mas não deixou de rebater os tucanos que colocaram em dúvida a nova sondagem. O instituto Sensus é sério assim como o Datafolha é sério e o Ibope é sério. O que acontece é que os tucanos estão dando sinais de desespero. Quando você se apega em uma pesquisa que lhe é favorável e desacredita as outras é sinal de  desespero. A possibilidade de um instituto estar errado é menor do que a de dois institutos estarem errados, afirmou.

O líder do governo na Câmara, Cândido Vaccarezza (PT-SP), disse que Dilma cresce nas pesquisas porque o povo quer o aprofundamento das conquistas do governo Lula. A população vê em Dilma a única que pode avançar nas conquistas do atual governo. O Serra não, pois fez oposição a Lula nesses oito anos, postou o deputado, no Twitter.

Já o senador Alvaro Dias (PSDB-PR) colocou em dúvida o resultado a pesquisa Sensus. Lembrou que o levantamento foi contratado por um sindicato, o Sintrapav (Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias de Construção Pesada de São Paulo).

Não gosto de desconstruir pesquisa. Mas uma diferença de 9%, da pesquisa do Datafolha , para 0%, do Instituto Sensus, é muito estranha, disse o senador tucano. Essa não é a fotografia do momento, completou.

Para Alvaro Dias, o levantamento não condiz com a realidade, já que, nos últimos dias, houve vários fatos positivos da campanha de José Serra (PSDB). Entre eles, o pré-lançamento realizado no sábado.

O líder do PSDB na Câmara, João Almeida (BA), também desqualificou a pesquisa. Ao saber do resultado, deu uma risada. Ah, eu não acho nada deste tipo de pesquisa encomenda de última hora por sindicato, disse.

Um dos coordenadores da campanha de Serra na Bahia, Almeida chamou de verdadeira bandalheira esse monte de pesquisa sem dono. Eu prefiro a credibilidade de institutos com tradição, afirmou.

Presidente nacional do PSDB, o senador Sérgio Guerra (PE) afirmou que é necessário verificar a metodologia utilizada nos levantamentos antes de emitir uma opinião: Nesse instante, prefiro não comentar o resultado de algumas pesquisas.

Já Rodrigo Maia, presidente nacional do DEM, principal partido aliado da campanha de Serra, disse que não iria questionar "nenhum instituto", mas ressaltou: "Nós temos nossas próprias pesquisas e acredito que o resultado não seja esse.

O presidente do PPS, Roberto Freire, disse desconhecer o resultado da pesquisa Sensus, mas afirmou que há institutos que caminham para a irrelevância, pela perda de credibilidade. Tem instituto que nem sabe quem está pagando o contrato. Tem outro que vai na mesma casa, fazer a mesma pergunta, disse. Ele afirmou ainda que esses levantamentos não merecem ser comentados.

Para o vice-presidente do PV, Alfredo Sirkis, coordenador da pré-candidatura da senadora Marina Silva, o resultado da pesquisa é positivo. A gente acha que é muito bom em função do escasso conhecimento que as pessoas têm da Marina. Além disso, ela resistiu ao lançamento da candidatura do Serra, que tem grande penetração na classe média (onde se concentra o eleitorado da senadora), disse Sirkis.

Quanto à diferença entre as sondagens do Sensus e Datafolha, Sirkis atribuiu às diferentes metodologias dos institutos. Tem que ver isso aí. Dependendo da forma como a pergunta for encaminhada isso pode refletir no resultado, disse. 

*Com reportagem de Marcelo Diego e Ricardo Galhardo, iG São Paulo.

Outras pesquisas:

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.