Pesquisa 'calibra' pela internet aparelho auditivo

Projeto inovador permite o tratamento de pacientes, em especial idosos, à distância

Agência Estado |

Um projeto piloto da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP) permitiu que o ajuste de aparelhos auditivos fosse realizado a distância, utilizando recursos como internet e Skype (programa gratuito de chamadas de áudio e vídeo).

O procedimento aconteceu no ultimo dia 8 de abril, envolvendo três pacientes que estavam em Pouso Alegre (Minas Gerais), no Instituto Sul Mineiro de Otorrinolaringologia (Ismo).Uma fonoaudióloga em São Paulo, no Hospital das Clínicas, transmitiu os procedimentos de adaptação dos aparelhos auditivos para três fonoaudiólogas que acompanhavam os pacientes na cidade mineira, a 200 quilômetros da capital paulista.

A teleaudiologia, inédita no Brasil, tem o objetivo de fazer com que a adaptação dos aparelhos possa ser feita em localidades mais próximas dos domicílios dos pacientes. Hoje, para uma pessoa utilizar uma prótese auditiva, o aparelho precisará ser ajustado por uma fonoaudióloga em um dos 136 Centros Especializados do Brasil. “Mas, em algumas situações, isso se torna muito complicado: a maioria dos usuários de aparelhos auditivos é composta de idosos. Eles costumam ter dificuldade de locomoção. Isso limita o acesso”, explicou o engenheiro Sílvio Penteado, um dos pesquisadores envolvidos no projeto.

O projeto piloto foi realizado com o aparelho "Florianópolis", desenvolvido pelo grupo de pesquisadores da USP. Para realizar o procedimento foi necessário um programa de adaptação, notebooks e um aparelho programador padrão (usado para interligar a prótese auditiva ao computador).Penteado contou que o software foi desenvolvido a um baixo custo - o acesso remoto sai por cerca de US$ 40. O programador padrão de aparelho auditivos é o mesmo usado nas próteses doadas pelo Sistema Único de Saúde (SUS), cotado no mercado entre R$ 2 mil a R$ 3.400. “Num futuro próximo, o programador padrão não será mais necessário, pois as próteses auditivas poderão ser conectadas diretamente ao computador via entrada USB”, revela o pesquisador.

De acordo com Sílvio Penteado, o próximo passo do grupo de pesquisa é fazer novamente a adaptação de aparelhos auditivos remotamente, mas, desta vez, em cidades separadas por uma distância de cerca de mil quilômetros.

    Leia tudo sobre: surdezaparelhoteleaudiologia

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG