Pedreiro é assassinado com requintes de crueldade no interior de Espírito Santo

VITÓRIA ¿ O pedreiro Paulo Luiz Cassa, de 34 anos, foi assassinado com requintes de crueldade pela ex-amante Ana Lúcia Vieira Guida, de 31 anos, na cidade de Cachoeiro de Itapemirim, interior do Espírito Santo. A vítima foi dopada, teve uma panela de água fervente atirada contra o rosto, tomou golpes de marreta, foi esfaqueada, e por fim, queimada viva.

Redação |

Acordo Ortográfico

A polícia também prendeu temporariamente Cosme Messias de Oliveira, suspeito de ser cúmplice da acusada no homicídio. De acordo com o titular da Delegacia de Crimes Contra a Vida Guilherme Eugênio Rodrigues, ele teria sido agredido pela vítima pouco tempo antes do crime, o que teria despertado o sentimento de vingança. Entretanto, Cosme nega participação no caso.

Em depoimento, Ana Lúcia afirmou que estava sendo ameaçada pelo pedreiro, pois ela queria romper o relacionamento, que durava cinco anos. Então o chamou à sua casa e ofereceu um suco com um poderoso dopante. Após a vítima adormecer, ela despejou água fervente contra o rosto de Pedro Luiz e em seguida aplicou golpes de marreta. A homicida contou que após isso, Cosme teria o esfaqueado. Como a vítima ainda resistia, foi arrastada para o quintal da casa, onde foi queimada viva. Ela teria sido enterrada no alicerce de uma residência que está sendo construída no local.

Ainda segundo o delegado, não se sabe precisar a data em que ocorreu o crime, pois Ana Lúcia diz ter sido nesta quarta-feira. No entanto, pelo estado de decomposição do corpo, os policiais acreditam que tenha ocorrido na última sexta-feira. Eles chegaram ao cadáver por meio de uma denúncia anônima, que ainda indicou o lugar errado.

Tanto Paulo Luiz, quanto Ana Lúcia viviam casamentos distintos e tinham três filhos cada um. A acusada será autuada por homicídio doloso, qualificado por ter feito uso de métodos cruéis e se aproveitado da vítima que estava indefesa por estar dopada. Ela responderá também por ocultação de cadáver, assim como Cosme, que se tiver sua participação comprovada, ainda será enquadrado por co-autoria.

Leia mais sobre: homicídios

    Leia tudo sobre: assassinatohomicídiopolicia civil

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG