Pedido de habeas-corpus a Roger Abdelmassih é negado; médico segue preso

SÃO PAULO - O Tribunal de Justiça de São Paulo indeferiu o pedido de habeas-corpus a favor do médico Roger Abdelmassih, especialista em reprodução assistida. Abdelmassih é acusado de estupro e atentado violento ao pudor contra pacientes e foi preso na tarde de segunda-feira, quando chegava à sua clínica em São Paulo.

Redação |

Segundo o advogado criminalista José Luiz Oliveira Lima, que defende o médico, a prisão dele é "ilegal".

Abdelmassih está preso no 40º Distrito Policial, na zona norte, que recebe detidos que possuem diploma universitário. A prisão aconteceu por volta das 15h30 desta segunda-feira, quando o médico chegava em sua clínica, no Jardim América.

De acordo com o delegado Aldo Galiano Júnior, da 3ª Delegacia de Polícia Civil, quando o médico percebeu que seria preso, correu para dentro da clínica e fechou o portão da garagem. No entanto, os policiais conseguiram entrar no consultório e convencer Abdelmassih, que estava trancado no banheiro, a não resistir à prisão.

A polícia preparou a execução da captura antes do médico chegar a sua clínica e uma delegada foi infiltrada no local onde ele atende seus pacientes. Ela disse à secretária que estava aguardando uma amiga que seria atendida. Às 15h15, ouviu a secretária conversando com o médico, por telefone, e soube que ele estava chegando.

Após ser detido, o médico foi levado a 3ª Delegacia de Polícia Civil de São Paulo. Ao ser questionado sobre o que teria a dizer em relação às acusações, afirmou: "por enquanto nada, confio na Justiça".

51 processos éticos

O Conselho Regional de Médicos de São Paulo vai julgar 51 denúncias feitas por supostas vítimas de Abdelmassih. São pacientes que, em depoimento ao conselho, teriam relatado abusos de atentado violento ao pudor e estupro. O médico pode sofrer desde uma advertência até perder o direito de exercer a profissão. 

Nesta terça-feira (18/08), o conselho se reuniu para discutir o caso mas não revelou se alguma decisão foi tomada.

O caso

Em junho, a Polícia Civil de São Paulo indiciou Abdelmassih sob acusação de estupro e atentado violento ao pudor contra pacientes , segundo informação do Ministério Público.

Na época, a Promotoria chegou a receber cerca de 70 relatos de supostas vítimas de Abdelmassih. Mulheres que passavam por tratamento contra infertilidade na clínica dele o acusam de ter cometido atos libidinosos, como beijar à força e passar as mãos no corpo das pacientes durante atendimentos.

Pelo menos um caso de acusação de estupro foi investigado pela polícia. Os advogados do médico afirmam que ele nega todas as acusações. 

Assista ao vídeo sobre prisão de Abdelmassih

Leia mais sobre Abdelmassih

    Leia tudo sobre: crimemédicomédicosroger abdelmassih

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG