Polícia Federal assumiu nesta terça-feira a totalidade do caso. Material só poderá voltar para os EUA após conclusão do inquérito

selo

Lixo hospitalar encontrado em galpão de tecidos em Pernambuco
AE
Lixo hospitalar encontrado em galpão de tecidos em Pernambuco
Ainda sob o impacto negativo do escândalo envolvendo a importação de lixo hospitalar e suposta utilização na confecção de forros para vestuário, comerciantes e gestores dos municípios que integram o pólo de confecções do agreste de Pernambuco (Caruaru, Toritama e Santa Cruz do Capibaribe) anunciaram nesta terça-feira a criação de um selo de qualidade, como forma de garantir a procedência e idoneidade dos produtos.

Antônio Figueiroa, prefeito do município de Santa Cruz do Capibaribe - local onde está sediada a indústria têxtil Na Intimidade, que vem sendo investigada como responsável pela importação irregular -, destacou que a certificação ficaria subordinada à fiscalização das agências de vigilância (municipal e estadual). "Nossa intenção é separar claramente o trabalho sério da grande maioria dos fabricantes daqueles que agem com desonestidade. O selo será a garantia de que os produtos foram inspecionados e que respeitam todas as regras ambientais e de saúde pública", destacou.

Leia também: Agentes do FBI chegam ao Brasil para investigar lixo hospitalar

Os laudos do Instituto de Criminalística de Pernambuco nas amostras de tecido recolhidas nos galpões e lojas da indústria Na Intimidade e contêineres apreendidos no Porto de Suape devem ficar prontos até o final desta semana. Apesar disso, o superintendente da Polícia Federal em PE, Marlon Jefferson de Almeida, confirmou extraoficialmente que o material analisado "tem características de materiais usados".

A PF assumiu nesta terça a totalidade do caso, incorporando o inquérito da Polícia Civil. Ainda segundo a PF, novas amostras do material apreendido serão encaminhadas ao Instituto Nacional de Criminalística, em Brasília, para exames complementares. O repatriamento da carga, determinado no início da semana pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), só poderá ser efetuado após a conclusão do inquérito.

O Ministério Público do Trabalho (MPT) em Pernambuco ajuizou segunda-feira (24) na Justiça do Trabalho em Caruaru uma ação cautelar solicitando o bloqueio dos bens do empresário Altair de Moura, proprietário da Na Intimidade. A intenção do MPT é garantir o pagamento dos direitos trabalhistas dos 34 funcionários da companhia. No total, a procuradora pede que a empresa seja condenada a pagar R$ 2,107 milhões, sendo R$ 126 mil como indenização aos trabalhadores e aproximadamente R$ 2 milhões para reparar o dano moral coletivo.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.