Começa julgamento de acusados de morte de turista alemã

Jennifer Kloker foi morta em Pernambuco no dia 16 de fevereiro de 2010. Acusados são marido da vítima, o sogro e a sogra dela

Renata Baptista, iG Pernambuco |

Reprodução/TV Jornal
A alemã Jennifer Marion Nadja Kloker, assassinada em 2010
Terá início, na manhã desta terça-feira, o tribunal do júri de quatro dos cinco acusados pelo assassinato da alemã Jennifer Marion Nadja Kloker, no Recife (PE). A previsão é que o júri dure dois dias.

Pablo Tonelli, então marido da vítima, Ferdinando Tonelli e Delma Freire, sogro e sogra dela, além de Alexsandro Neves dos Santos - que teria sido o autor dos disparos a mando dos familiares da vítima - serão julgados pelo homicídio.

No primeiro dia do júri, haverá a escolha dos sete jurados entre os 25 convocados, o depoimento das testemunhas de acusação e o interrogatório dos quatro réus. O Ministério Público de Pernambuco convocou duas testemunhas: os dois delegados responsáveis pelo inquérito policial, Alfredo Jorge e Gleide Ângelo, do Departamento de Homicídio e Proteção à Pessoa (DHPP).

A quarta-feira será reservada para os debates entre a promotoria e a defesa, a votação pelo conselho de sentença e a leitura do veredicto. Por precaução, foi reservado espaço na pauta da quinta e da sexta-feira, caso haja necessidade de estender o julgamento.

Os réus são acusados de formação de quadrilha e homicídio duplamente qualificado (por motivo torpe e uso de recurso que tornou impossível a defesa da vítima). O grau de parentesco e a convivência entre a vítima e três dos três acusados - Pablo, Delma e Ferdinando - são agravantes.

Delma Freire ainda será julgada pelo crime de fraude processual, sob a acusação de ter tentado modificar os rumos da investigação ao indicar um falso autor do assassinato. Na época, um homem se apresentou à polícia afirmando que foi procurado por Delma para assumir a autoria do crime em troca da quantia de R$ 20 mil. Ele afirmou ter sido orientado por ela e seu advogado, Célio Avelino.

O quinto acusado pelo assassinato é Dinarte Dantas, irmão de Delma. Ele é acusado de fornecer a arma do crime. Ele terá um julgamento à parte e é o único a estar em liberdade, por ter colaborado com as investigações.

O caso

Jennifer tinha 22 anos quando foi morta em 16 de fevereiro de 2010. Seu corpo foi encontrado pela polícia com três tiros no tórax às margens da BR-408, em São Lourenço da Mata (região metropolitana do Recife).

Os familiares dela haviam prestado queixa, alegando que ela teria sido vítima de um sequestro seguido de um assalto. Em depoimento, eles disseram que a alemã foi levada pelos supostos assaltantes porque estava muito nervosa e gritava muito.

A família morava na Itália com o filho do casal - que tem quatro anos e está vivendo na Itália com a irmã de Pablo - e estava no Recife para passar o carnaval. De acordo com a investigação da Polícia Civil, o crime foi articulado por Delma e tinha, como principal motivação, o pagamento de um seguro de vida em nome dela feito por Ferdinando Tonelli no valor equivalente a R$ 1,5 milhão.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG